4.11.05

BURACOS NEGROS

O que nos une é não nos entendermos
tu aí eu aqui – nossa via é diferente:
O teu já-foi o meu ainda-há-de-ser
são dois buracos negros no presente
que é nosso como o sonho antes do dia
quando sabemos já que estamos a sonhar
e que connosco brinca um pouco ao vento
até aqui e ali cada um se encontrar.


Tradução de João Barrento.

Ulla Hahn nasceu em 1946. Estudou Literatura, História e Sociologia em Hamburgo, onde defendeu uma tese sobre “Formas da Literatura Operativa na RFA” (1978). De 1979 a 1987 foi responsável por programas culturais na emissora Rádio Bremen. Vive em Hamburgo. Publicou, entre outros, os seguintes livros de poesia: Herz über Kopf (1981), Spielende (1983), Freudenfeuer (1985) e Unerhörte Nähe (1988). Foi distinguida com os Prémios Leonce und Lena (1981) e Hölderlin (1985), e com a célebre bolsa anual para a Villa Massimo, em Roma. (in A Sede Entre Os Limites, Relógio D’Água)

2 Comments:

At 1:50 da tarde, Blogger hfm said...

Gostei de ler.

 
At 11:13 da tarde, Anonymous at said...

Gostei de reler.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home