16.10.07

ALL THAT YOU GIVE


Vagueia o meu olhar / Sobre a cidade murada, dizia o poeta Sa Du La no século XIV. Tantos anos passados, meu olhar vagueando também pelas cidades muradas, meus olhos vagabundos, minhas cidades amuralhadas, teus ossos impenetráveis, lá ao distante dos começos, aqui tão perto de esplendorosas manifestações de afecto que nos separam à mesa das refeições, porque tu degustas o tempo como a mim desgostam as horas, porque tu intentas contra as horas como a mim oprime o tempo. Tudo o que te peço, neste Outono grávido de geometrias cintilantes, é que quebres o anonimato do teu nome, que me digas aos lábios o teu nome mais secreto, a tua forma menos oculta, que me abrases pelo caminho agourado das sugestões, sempre espero eu à espera dos teus ossos esplendorosamente impenetráveis. Não que distes desta confissão as geometrias cintilantes, não que distes os adereços, apenas que ponhas a voz nos adereços, apenas que ponhas a voz na voz dos adereços, para que desse modo sejas toda tu na ilusão com que te procuro.

Por mero acaso, à Alice pelos cinco anos.

4 Comments:

At 5:17 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Muito bonita!
J.r

 
At 9:18 da tarde, Blogger della-porther said...

gostei muito daqui. seu espaço é muito interessante.

della

 
At 2:43 da manhã, Blogger lebredoarrozal said...

obrigada:D

 
At 11:00 da tarde, Blogger hmbf said...

della, obrigado.
lebre, de nada.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home