15.10.07

ELE DISSE, ELA DISSE

Abruptamente, o odor de flores, agudo, vago, delicado,
O velho coração batendo suavemente, olhos
Frescos como uma maçã, todas as rugas idas.
Quem teria imaginado? Não ela, não ele.

Algo passou pelo quarto e não ficou.
‘Viste-lhe o rosto?’ disse ela. Ele disse,
‘Que dizia?’ ‘«Ido»’,
Respondeu ela, ‘Ou foi isso o que pensei que disse’.
Ele respondeu, ‘Não. «Vem,» estou certo de que foi «vem».
Chamou,’ disse ele, ‘Devíamos segui-lo. Não voltará.’
‘Espinheiro no Outono,’ disse ela, ‘Não me faças rir.
«Ido» foi a palavra, e partiu. Não sejas louco.’

‘Espinheiro,’ disse ele, ‘Primavera, o odor tardio de Primavera.
Tudo abre, tal como era.
Não vens comigo?’ disse ele. ‘Ainda temos
Uma oportunidade. Escuta. Cheira,’ disse ele,
‘Fomos adiados.’ Lentamente, preguiçosamente,
Ela abanou a cabeça pesada e virou-se.
‘Não espero,’ disse, ‘Não penses que o farei.’

O cabelo escuro à volta do rosto, os olhos ocultos.
‘Nunca,’ disse ela, ‘Já esperei demais.’
Ele respondeu, ‘Escuta. Está a chamar. É a nossa última oportunidade.’
Como comida, como chuva, como névoa. Boca aberta, coração aberto.
‘Tudo floresce,’ disse ele, ‘Como quando éramos novos.’
‘Quando éramos novos?’ perguntou ela, ‘Não me lembro.’

Uma centelha de oiro, um sorriso, uma voz vaga chamando
Confusamente ‘Vem,’ ‘Ido,’ ‘Vem’. Os odores mesclados
De Primavera na noite de Outono. ‘A nossa última oportunidade,’ disse ele.
E ela respondeu, ‘Aproveita-a sem mim.’


Tradução de Manuel de Seabra.

A. Alvarez

A. Alvarez nasceu em Londres a 5 de Agosto de 1929. Poeta, ficcionista e crítico literário, foi professor em Oxford e nos EUA. Entre 1956 e 1966 foi crítico e editor de poesia no The Observer. Também escreveu ensaios sobre o suicídio, o divórcio, entre outros temas. Obteve em 1961 o Vachel Lindsay Prize da revista Poetry (Chicago). Entre a sua obra poética contam-se livros como Under Pressure (1965) e Aparition (1971).

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home