20.11.08

TAMBÉM O QUE É ETERNO


Também o que é eterno morre um dia.
Eu tusso e sinto a dor que a tosse traz;
O doutor quer por força a ecografia,
Mas eu não estou pra tantas precisões.

Eu rio à morte com um riso largo:
Morrer é tão banal, tão tem que ser!
Disto ou daquilo, que me importa a mim?
Mas, ó horror, com fotos, não, nem documentos!

A tanta exactidão mata o mistério.
O pH, o índice quarenta...
Não quero as pulsações, os eritrócitos,
O temeroso alzaimer, ou o cancro,
Nem sequer o tão raro, do coração.

Ver o pulmão, o peito aberto, o coração,
A palpitar a cores no computador?
Eu morro, eu morro, não se preocupem,
Mas sem saber, de gripe, ou duma coisa,
Ou doutra coisa.


Manuel Resende nasceu em 1948 no Porto. É poeta e tradutor. Publicou Natureza Morta com Desodorizante (1983), Em Qualquer Lugar (1998) e O Mundo Clamoroso, ainda (2004), livro de onde copiámos o poema aqui divulgado. Colaborou com diversas revistas, entre as quais a Limiar, a DiVersos e a Inimigo Rumor. Traduziu, entre outros, Lewis Carroll, Beckett, Shakespeare, Sloterdijk e vários poetas gregos, trabalho do qual sublinhamos a tradução de Axíon Estí, de Odisséas Elytis, com o título Louvada Seja (2004).

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home