14.4.06

Elevador

Sei, hoje, exactamente aquilo que falhei:
não senti a dor até ao fim. Fugi
antes que ela se tornasse coisa nenhuma
e fosse já nada diferente de mim, do que sou
antes, depois, durante as coisas sensíveis
tangíveis, tacteadas, apalpadas na escuridão
dos anos.
Sem luz nem cor nem beleza possível
de julgar.
E, súbito, tudo são corpos a cair contra corpos
imaginar é o dom que lhes foi dado.
Imaginar a beleza e a fealdade, o longe e o
perto que se está de cada coisa.

Nenhuma vitória me ensinará mais que um naufrágio
nenhuma vida é mais vida por ter mais risos que palhaços
menos esperas que encontros.
A vida eterna não promete o sol nem o calor nem a riqueza nem
abraços. Os livros
falam da paz. E da paz só. A paz apenas prometem, por isso
sei, hoje, o que sonhar para a morte.

Subo e desço das camas, das cadeiras, dos lugares
agarro-me ao que acaba como se o mar me fosse engolir depois
enquanto as trevas rodam em torno da terra e
deixam intervalos de luz,
corro contra as horas
para não chegar tarde, para não ser esquecido
para não me mentir

mas o que importa é subir e descer, manter-se
à superfície de si mesmo, não interessa em que mar
as camas, as cadeiras, os lugares, os corpos sem cor
continuarão antes depois durante os intervalos de luz
e só eu poderei responder à morte
a que preço está a vida eterna,
em quantos anos pagarei
os juros do empréstimo
com que comprei a paz

Alexandre Borges

Alexandre Borges nasceu em 1980 em Angra do Heroísmo. Licenciado em Filosofia, é autor de Dez Histórias de Amor em Portugal e co-autor de Histórias Secretas de Reis Portugueses (Editorial No tícias). Recentemente, publicou o livro de poemas Heartbreak Hotel. Está incluído em várias antologias de poesia e ficção. A sua actividade desenvolve-se entre o teatro, a televisão e a escrita, designadamente na imprensa periódica regional dos Açores. No teatro, para além da representação, tem feito adaptações e produção de diversas peças. É autor do weblog O Boato. »

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home