12.10.06

Fragmento #38 – Banco de cozinha

Lisboa, 9 de Março de 1996

Nas ruas desta cidade ora faz sol, ora caí chuva para variar, já perdi 8kg desde Janeiro e ando com mais energia; estou a maior parte do tempo muito concentrada a ler em casa ou a fazer escultura nas Belas. Ontem tive a má ideia de sair à noite, tudo me fazia lembrar o J, arrepiei-me quando passei em frente da montra do Majong, já fiz parte daquela montra, lembrei-me das horas que perdi lá dentro, a ouvi-lo falar sobre si próprio, passivamente, a dar-lhe toda a atenção do mundo. A compreensão talvez seja a melhor forma de nos vingarmos dos outros. Ontem à noite todos os locais públicos no Bairro estavam cheios de potenciais J, as mulheres eram muito semelhantes a ele ou então estavam mergulhadas numa estranha passividade, aparentavam estar ali, mas estavam muito longe; à minha volta só via alienados a abanar a cabeça ao som de ruídos estranhos. Acho que é melhor não sair à rua, aqui em casa oiço música como deve de ser e posso ainda visitar algumas casas de amigos com os quais se pode estar à vontade. Ontem saí à rua porque era o aniversário de C, lá fui beber umas cervejas e nisto deparei-me com um amigo do primo de C, que era mais sensível do que é habitual encontrar por aí; divorciado há pouco tempo, com 31 anos e dois filhos, via-se que estava magoado e decepcionado. Nisto ele começou a mandar bocas generalistas às mulher, do tipo as mulheres são todas iguais e citava um escritor espanhol que dizia que se devia melhorar as condições de vida de todas as mulheres fazendo cozinhas maiores e fornos mais úteis. Respondi-lhe que os homens têm uma virgula existencial muito grande e que qualquer banco de cozinha lhes serve. Os homens da mesa começaram a ficar maldispostos e para os incomodar ainda mais expliquei que os bancos de cozinha costumam ter buracos. Ele virou-se para mim e perguntou-me no que é que eu gostaria de ser homem; respondi-lhe que gostaria de ser homem para poder ter relações íntimas como se bebesse um copo de água e o dia seguinte ser apenas um novo dia, como se nada tivesse acontecido. Ele terminou com as suas boquinhas generalistas sobre mulheres e delicadamente disse-me que o meu modo de sentir era muito peculiar. Coitado, estava cheio de sono, só espreguiçava a boca e rapidamente mudou de assunto, começou a falar de comida, o que é mau para a minha dieta, para além de eu já ter bebido umas cervejas. Por fim levantou-se e despediu-se dizendo: foi breve, mas intenso, muito prazer.

Maria João

7 Comments:

At 9:52 da tarde, Blogger margarete said...

"A compreensão talvez seja a melhor forma de nos vingarmos dos outros." essa é grande!
:)



quanto ao teu post, enfim... coitados.
;)

 
At 10:28 da tarde, Blogger etanol said...

Ó Margarete, isso foi à dez anos, agora já não sou assim, melhorei muito com a idade.
Maria João

 
At 10:58 da tarde, Anonymous Anónimo said...

...mas umas são menos iguais que outras.
Rui Costa

 
At 11:40 da tarde, Blogger margarete said...

"assim"? falas do possível amofinanço que possa surgir de conversas como a descrita?
desculpa, não percebi :/

 
At 12:11 da tarde, Blogger Vítor Leal Barros said...

"Ele virou-se para mim e perguntou-me no que é que eu gostaria de ser homem; respondi-lhe que gostaria de ser homem para poder ter relações íntimas como se bebesse um copo de água e o dia seguinte ser apenas um novo dia, como se nada tivesse acontecido."

observação pertinente... ao contrário das bocas sobre as cozinhas e etc, esta demonstra um profundo conhecimento da condição masculina... mas creio que há mulheres que o conseguem fazer também...poucas

 
At 8:25 da tarde, Blogger etanol said...

Margarete: com a idade deixei de ter paciencia para certas coisas e ganhei paciencia para outras.
Costa: mantem esses olhos bem abertos, tu vê lá.
Vítor: o texto tem 10 anos, encontrei-o por mero acaso, entretanto experimentei e não gostei, estava a ir contra o que sou naturalmente. Mas também não se pode dizer que desta água não beberei, isso são sempre terrenos pantanosos.
Maria João

 
At 4:10 da manhã, Blogger holeart said...

ito aki tá fino

nqao te conhecia assim.

gostei

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home