16.11.06

VARANASI


Este sítio é uma biblioteca. A rapariga levanta-se, vejo-lhe a barriga. Olha o computador, depois, e não lê. Tenho a certeza que não lê. Pensei oferecer-lhe um livro, assim desisto. De que serve?

Estão a perceber, é assim que começam todas as histórias. Não podes é deixar-te levar pelo impulso do começo, ter os olhos muito abertos a percorrer a casca muito fina. [No entanto o impulso não desaparece].

O namorado olha para mim; finjo continuar a reparar na presença dela. Não quero desiludi-lo, é por certo indeciso e provavelmente o corpo é uma matéria ardente. Agora faço parte do que não sabem chamar: estratégias de sobrevivência. Sem querer - não estou sozinho - Adoptaram-me. Não que eu quisesse. Sou incapaz de alimentar imagens por mulheres com sonhos perto. O sonho deve ser uma matéria ardente.

Foram-se embora__ Introduzo o tempo no relato. É muito desagradável usar os verbos com intenções tão claras: Foram-se!

Acho que já disse tudo. Talvez que esperavas uma espécie de disparo universal, do tipo: levam-me com eles, ficam-se comigo. Sei, porém, que não és tão ingénuo: querias ver a forma como sou capaz de dizer isto; ou não dizer; se me espalho na parede onde me recolhes com a espátula ou o teu colo feito de ternura.

Hoje não me leias.

Constrói-me tu sozinho, faz de conta que não preciso de cuidado. Mas dobra-te, consulta a paisagem, toma conta de ti.

O amor de um homem pela sua sombra é uma matéria ardente.

Rui Costa

3 Comments:

At 5:47 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Não o conheço mas tudo o de si leio me soa a duas coisas:
narcisismo e macho latino.
´Vá dormir uo olhe-se ao espelho e oiuça o que diz:È o que faz melhor

 
At 12:33 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Quer dizer então que se escrever como um homem sou gajo, se me localizar na primeira guerra mundial para encenar alguma coisa é porque tenho cem anos. Certo que o que se escreve sai de nós, mas não é de todo verdade que nos represente, se assim fosse escreveria:
Nasci um dia, hei-de morrer outro. Entretanto só tenho a certeza que gasto oxigénio ao planeta.
Aurora Silva

 
At 1:09 da tarde, Blogger etanol said...

Aurora, tens toda a razão, psicologismos a partir da leitura de um texto é algo muito redutor e só dá aso a equivocos. Tirar elações e ter certezas a partir disso é uma grande estupidez.
Maria João

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home