28.12.06

UM COMBOIO

Um muro e outro muro
só a palavra alada os ultrapassa
ave marinha que defronta o escuro
e deixa o dia onde passa

Mas onde achá-la em que praia
desvendar a certeza do seu corpo
onde encontrar quem saiba
das paisagens que há dentro do seu rosto

Se todos os silêncios são nocturnos
e a memória gelada que os procura
é um comboio de bruma
sitiada nos vóltios da ternura

Torquato da Luz

Torquato da Luz nasceu em Alcantarilha (Silves-Algarve), a 26 de Novembro de 1943. Fez o Curso de Ciências da Informação da Universidade Católica, foi jornalista do Diário de Lisboa e director do Jornal Novo, de A Tarde e do 2º Canal da RTP. Publicou vários livros de poesia e crónicas, tendo-se estreado em 1963 com Os Poemas da Verdade. Participou em diversas antologias, das quais se destacam Poesia 70 e Poesia 71, selecções, respectivamente, de Egito Gonçalves/Manuel Alberto Valente e Fiama Hasse Pais Brandão/Egito Gonçalves, e Caliban 3/4, edição e coordenação de J. P. Grabato Dias e Rui Knopfli. É autor do weblog Ofício Diário.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home