27.12.06

O LOBISOMEM

O amor é para mim um iroquês
De cor amarela e feroz catadura
Que vem sempre a galope, montado
Numa égua chamada Tristeza.
Ai, Tristeza tem cascos de ferro
E as esporas de estranho metal
Cor de vinho, de sangue e de morte,
Um metal parecido com ciúme.

(O iroquês sabe há muito o caminho e o lugar
Onde estou à mercê:
É uma estrada asfaltada, tão solitária quanto escura,
Passando por entre uns arvoredos colossais
Que abrem lá em cima suas enormes bocas de silêncio e solidão.)
Outro dia senti um ladrido
De concreto batendo nos cascos:
Era o meu Iroquês que chegava
No seu gesto de anti-Quixote.
Vinha grande, vestido de nada
Me empolgou corações e cabelos
Estreitou as artérias nas mãos
E arrancou minha pele sem sangue
E partiu encoberto com ela
Atirando-me os poros na cara.
E eu parti travestido de Dor,
Dor roubada da placa da rua
Ululando que o vento parasse
De açoitar minha pele de nervos.
Veio o frio com olhos de brasa
Jogou olhos em todo o meu corpo;
Encontrei uma moça na rua,
Implorei que me desse sua pele
E ela disse, chorando de mágoa,
Que era mãe, tinha seios repletos
E a filhinha não gosta de nervos;
Encontrei um mendigo na rua,
Moribundo de fome e de frio:
«Dá-me a pele, mendigo inocente,
Antes que Ela te venha buscar.»
Respondeu carregado por Ela:
«Me devolves no Juízo Final?»;
Encontrei um cachorro na rua:
«Ó cachorro, me cedes tua pele?»
E ele, ingénuo, deixando a cadela
Arrancou a epiderme com sangue
Toda quente de pêlos malhados
E se foi para os campos de lua
Desvestido da própria nudez
Implorando a epiderme da lua.
Fui então fantasiado a travésti
Arrojado na escala do mundo
E não houve lugar para mim.

Não sou cão, não sou gente – sou Eu.

Iroquês, Iroquês, que fizeste?

Décio Pignatari

Décio Pignatari nasceu em Jundiaí, São Paulo, no ano de 1927. Começou a publicar poemas na Revista Brasileira de Poesia, integrado no Clube de Poesia, de São Paulo, liderado por poetas críticos da Geração de 45. Em 1952 fundou o Grupo Noigandres, com Augusto de Campos e Haroldo de Campos, oferecendo um forte contribuo para a implementação da Poesia Concreta no Brasil. Tradutor de várias obras, foi um dos fundadores da revista Invenção. Colaborou em vários periódicos, foi professor de Semiótica, publicou ensaios e livros de poesia. Em 1977 reuniu a sua obra poética no volume Poesia Pois é Poesia.

3 Comments:

At 5:39 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Extraordinário poema, que já conhecia mas há muito tempo não lia. Seria possível entrar em contato com Décio Pignatari (através de e-mail ou de algum site na net?)

Gil Cleber
gilccarvalho@ig.com.br
02 mar 07

 
At 7:57 da tarde, Blogger Amanda Silveira said...

Preciso de uma análise sobre esse poema a fim de incrementar minhas idéias a respeito dele.
obrigada :)

 
At 8:59 da tarde, Blogger Secretaria de said...

A galera da facu ta tudo doida por causa desse poema, interpretar, analisar e reescreverrrrrrrr

Beijos turma de letrasssss

força na peruca

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home