19.2.08

Um poema* de Joaquim Manuel Magalhães e uma foto de Robert ParkeHarrison

Talvez Deus exista
para não haver terror.
Acordo além dos sedativos
com o que de mim não sei
no ferro dos pesadelos.

Os pombos entendem
quando vamos morrer,
atacam a janela,
o quarto ressoa
aos seus apelos,
plumagem rouca
na fraga fluvial.

E cumprimos o que somos
incapazes de ser.


* Selecção de Jorge Aguiar Oliveira

2 Comments:

At 5:05 da tarde, Blogger Vida Involuntária said...

Grande poeta este, que por não gostar de participar em eventos de "Pousadas", "Correntes" e outras funções é tão mal lido e interpretado.

A foto é boa. Tem algo de caligrafia oriental.

Como diria ontem o MST do Sócrates: "Dou 17 valores, mas comparando com Santana e com Durão, até daria 27".

É que há para aí muito Santana e Durão, na Poesia...

 
At 5:37 da tarde, Anonymous Anónimo said...

eu ao ver tantos poemas de autores externos ao blog pergunto-me: aonde estão os direitos de autor?

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home