15.11.05

exibicionismo

essa vontade
que eu tinha
de nas águas
te perder…
para depois
te pescar
à linha,
com muita
gente a ver.


Luís Pignatelli
Luís Pignatelli (pseudónimo literário de Luís Oliveira de Andrade) nasceu em Espinho a 1 de Janeiro de 1935 e morreu em Lisboa a 20 de Dezembro de 1993. Em Espinho fez a instrução primária e frequentou o liceu. Nas lides da escrita, estreia-se em Maio de 1953 na revista Bandarra, com o poema Aguarela (assinado por Luís de Andrade e não ainda Pignatelli). Nesta revista, publicada no Porto, em 3 séries, entre 1953 e 1964, continuará a colaborar até à sua ida e fixação de residência em Coimbra, nos meados da década de 50, onde, de passagem, na revista Vértice, assina alguns poemas. Deste tempo de Coimbra data a amizade com José Afonso, através do qual alarga o seu leque de amizades a Herberto Hélder, Adriano Correia de Oliveira, António Quadros, Manuel Alegre, entre outros. Em 1963 passa alguns meses em Moçambique, onde trabalha como jornalista, na Tribuna de Lourenço Marques. De regresso a Portugal, volta para Coimbra, mudando-se definitivamente para Lisboa no verão de 1965. Aí frequenta tertúlias, colabora nos suplementos literários de vários jornais (por vezes sob o pseudónimo de Athayde de Andrade), traduz, aparece representado em algumas antologias (por exemplo, na Antologia da Poesia Concreta em Portugal, de E. M. Melo e Castro e José-Alberto Marques) Em 1973, no Círculo de Poesia, da Moraes Editores, publica o seu único livro, Galáxias.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home