25.4.06

Cantiga de Mariana Alcoforado à maneira de lamento

Novas Cartas Portuguesas

Me tomam por tomada
a mim se dou
meu peito e meu convento
em troca de mais nada

que alheada andava
tão alheada andava

Me davam por freira
conformada
no hábito que habito
ou habitava

que alheada andava
tão alheada andava

Me têm por lei presa
tão bem posta em dádiva
pois me libertei

que alheada andava
tão alheada andava

Me dizem que morra
se por mim amei
com a ameaça funda que pequei

que alheada andava
tão alheada andava

Me sobram porém hoje os dias
que perdi
e a clausura então que não rasguei

que alheada andava
tão alheada andava

28/3/71

Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta, Maria Velho da Costa, in Novas Cartas Portuguesas, Editorial Futura, Lisboa, Maio de 1974.

4 Comments:

At 5:31 da tarde, Blogger dama said...

Só por esta, ficas ilibado de não ter referido o nosso PRA (Processo de Revolução Antecipada) e, já agora, a hábil circunvolução em "There's only 1 Alice". Bom 25.

 
At 5:41 da tarde, Blogger hmbf said...

ó diabo, vou já refazer a história desta revolução :)

 
At 6:42 da tarde, Anonymous AMC said...

Henrique,
À soror Mariana:
«A Mariana que é histérica começa a chorar desatinadamente nos braços da sua confidente e excelente pau de cabeleira soror Inês».
Almada
Um abraço

 
At 8:20 da tarde, Blogger hmbf said...

:)

Saúde,

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home