23.4.06

JMS said...

«A blogosfera é o meio de comunicação mais livre e democrático que existe (aliás, é o único a quem se pode aplicar tais adjectivos), e muita dessa liberdade e democracia têm que ver com o facto de qualquer um, na blogosfera, poder opinar, por muito estúpida e irreflectida que seja a sua opinião. Fazendo um paralelismo com o sistema democrático, ninguém acha (pelo menos ninguém o admite) que o Zé das Couves, cavador em Pencas de Baixo e homem sem qualquer instrução formal, deva ser proibido de exercer o seu direito de voto só porque é analfabeto e nunca teve tempo nem oportunidade para meditar nas magnas questões de natureza política que constituem entretém e ganha-pão de um almirante da Opinião como o Sr. J. Pacheco Pereira. Ora, eu não percebo que direito tem JPP de execrar o baixo nível de discussão nas caixas de comentários da blogosfera e defender a sua erradicação. Se são eleitores, meu senhor! Gente que, por muito ignara e insultuosa que seja (ou talvez por isso mesmo), nunca se esquece de ir deitar a cruzinha no partido que sustenta o Sr. Pereira (ou o Sr. Mendes, ou o Sr. Sócrates, ou o Sr ...). Assim sendo, como é que é? O povo serve para umas coisas e para outras não? Serve para opinar politicamente (nos locais e tempos próprios, of course), mas já não serve quando se trata de berrar uns comentários desaforados sobre a pessoa A, B, ou C, ou sobre a situação X, Y ou Z? Olhe a coerência, Dr., a coerência, que é um bem precioso, como diz o poeta.Claro que toda a gente tem o direito de abrir ou não abrir caixa de comentários, e podem encontrar-se excelentes motivos para defender ambas as opções. Não é isso que discuto. O que me aborrece é ver um político de carreira achincalhar o mesmo povinho que lhe põe o pão (e que pão!) na mesa; isso parece-me de uma falsidade intolerável. Por que é que o JPP não vai falar assim grosso para os comícios e para as campanhas de rua; por que é que à boca das urnas tudo são adulações e um fazer olhinhos à populaça, e só depois do frisson eleitoral vêm estes hipócritas revelar o seu desprezo pelo estúpido e burgesso zé-ninguém? (O qual não é mais burgesso nem inculto, aliás, do que a própria classe política; a única diferença é que veste pior.)»

JMS é autor do weblog Ad Loca Infecta. Ler também, a este propósito, o post Anda Pacheco!, de André Moura e Cunha, com um bom apanhado final de posts publicados noutros blogs acerca do mesmo assunto. E ainda este comentário de Sérgio Lavos no Auto-Retrato.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home