4.7.06

SOBRE A PRISÃO DUM SEU GALEGO A SEU CUNHADO MANUEL MACHADO, SENHOR DA TERRA D’ANTRE HOMEM E CÁVADO

Inda que eu ria e me cale,
que me eu faça surdo e cego,
bem vejo eu porque o da Vale
correu tanto ao meu galego!
Como c’um leão fez festa!
Mas inda mal, a la fé,
porque um escrito na testa
não traz cada um de quem é.

Antre craros e escuros,
ladrões de seiscentas cores
andam por aqui seguros,
não lhe saem tais corredores.
Após quem torna por si
e primeiro mata ou morre
não corre o da Vale assi,
que após um tolo assi corre.

Bom matador, bom ladrão
que fugindo arma entretanto,
deixou acolher bastião,
que pica e não rende tanto!
Vive pola tua pena,
outrem prenda, outrem condene,
não me toque no da pena
em que te as barbas depene.

Escreves pólo Ribeiro,
anda após o mais proveito.
Hás-de pagar o dinheiro,
ganham a torto ou a dereito.
Deixa andar os encartados,
deixa-os, que tem os caminhos
de palhetos ouriçados,
que andam como porcos espinhos.

Come e bebe, pois te presta.
Não cures das assoadas
que se vem juntas à festa
e vos têm todos em nadas.
Onde vires um coitado
que, em te vendo, perde a cor,
dá após ele, homem ousado!
Não se vá tal malfeitor!

Executores da lei,
havei vergonha algum dia!
Este chama: aqui del-rei!
estoutro chama: a valia!
outro chama: Portugal!
De varas não há i míngua.
Desata a bolsa, que val,
traze sempre atada a língua.

Sá de Miranda
Sá de Miranda presume-se ter nascido em Coimbra, em 1481. Estudou Gramática, Retórica e Humanidades, vindo a fazer o curso de Leis na Universidade de Lisboa. Frequentou a corte de D. João III, seu amigo e protector. Partiu para Itália após a morte de seu pai. Aí conviveu com alguns dos mais famosos escritores que haviam participado no movimento cultural da Renascença. Regressou a Portugal em 1526, introduzindo nas Letras o dolce stil nuovo das novas formas renascentistas: soneto, canção, ode, elegia, écloga, as composições em oitavas, que foi o primeiro a cultivar entre nós, assim como o teatro em prosa. Casou com Briolanja de Azevedo em 1552 e passou a viver no Minho, dedicando-se à família, à escrita e ao cultivo da terra. Muito atento ao que se passava no seu país, as últimas composições estão repletas de comentários sociais e moralistas, bem amargos e pessimistas. Minado de melancolia, faleceu em 1558. »

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home