30.8.06

Cinema

Há momentos em que as cenas sucedendo-se não importam para nada, os planos a simularem um olhar autoritário e as sequências invertendo o sentido da realidade são apenas pretextos para sair de casa.

Há momentos em que o importante não é a fotografia projectada à velocidade dos olhos, nem o som das palavras ditas em silêncio e disposicionais. As palavras são sempre um mero pretexto para sairmos de casa.

Há momentos em que o mais importante não é a mulher da frente ajeitando o cabelo, o homem ao lado evitando a tosse, outro disfarçando a distracção de um telemóvel ligado ou ainda alguém atrás encolhendo-se no nosso conforto.

Há momentos em que a única imagem verdadeiramente importante é a da nossa sombra forçando-se numa contenção de lágrimas, como se fosse ridículo o medo que o fluxo dos olhos emana. Como se fosse um pretexto para não sairmos de casa.

1 Comments:

At 6:52 da tarde, Anonymous marta said...

tão simples quanto isto.Tal e qual.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home