23.9.06

alhufb- põkrQºN PFHJ.~~jfdj

Guardo um Cartaz de 1999 - o antigo Actual - onde se procedia a um balanço da década que então findava. No que respeita à poesia, Osvaldo Manuel Silvestre raciocinava assim: «De facto, a década de 90 foi, no seu todo, mais pobre que a de 80, a qual fora já menos rica que a de 70, a qual fora por seu turno menos rica do que a de 60, que, essa sim, fora mais fecunda do que algumas das precedentes.» Eu não arriscaria hoje classificar a década de 1990 assim tão pobre, mas não me interessa agora discutir o assunto. Relembro o raciocínio porque me parece ser do mesmo tipo que aquele usado por Sérgio Lavos neste post, onde se vaticina a falta de originalidade que contamina o universo pop nos tempos que correm. Quanto a mim, o que de melhor teve a década de 1990, falando de música pop em sentido lato, foi o espírito de fusão (tantas e tantas vezes se apontava o ecletismo das mais variadíssimas bandas). Deste modo, o grunge, o trip-hop, o drum’ n’ bass, o post-rock, a world music, valeram, essencialmente, pela capacidade de misturar sons de proveniências diversas sob uma identidade própria e consistente. Talvez estejamos hoje num desses momentos de saturação em que o novo apenas germina mas não acontece. A tendência tem sido para a rememoração, para a revisitação, para o retro. Como o Sérgio diz, e bem, «tudo é pós-qualquer coisa e deixa de o ser ao segundo ou, vá lá, terceiro álbum». No entanto, não consigo ser tão assertivo quanto o Sérgio na assunção do fim de uma qualquer coisa que ainda agora começou. Não falarei de géneros, que esses todos os dias são engendrados por uma indústria ávida de modas e, talvez por isso, cada vez mais com a corda ao pescoço. Mas quando qualquer um de nós pode hoje fazer em casa, com a maior das facilidades, a música que mais aprecia, o que esperar do futuro? E se para tal nem é necessário saber tocar um instrumento, que podemos nós esperar? O fim? Julgo que não. O que tende a desaparecer, suponho, é a ideia de género musical, a ideia de «tipo de música», em prol de uma cada vez maior despersonalização das obras. Como as drogas geneticamente manipuladas à medida de cada um, assim será, muito provavelmente, a música do futuro. É para esse cúmulo relativista, em que tudo é criado à medida do indivíduo, que tendem as artes. Em cada um de nós, um artista. Em cada obra, um espelho. Em cada espelho, um reflexo desse vazio que subsume tudo à lei do nada. Se já não existem heróis, o futuro reserva-nos a morte dos ídolos. Seremos todos referências apenas de nós próprios e em nada buscaremos exemplo senão na nossa própria fome. Provavelmente, o nosso futuro será a vida tal como ela era há 3,3 milhões de anos.

7 Comments:

At 10:36 da manhã, Anonymous Sérgio said...

Um pouco catastrofista, o final. Além disso, já pensaste que, se no futuro todos puderem ser artistas (ou criadores, como agora se diz) a arte deixa de existir?

 
At 12:38 da tarde, Blogger hmbf said...

Calro que sim, mas isso não é, do meu pobto de vista, nada catastrófico. :) Mas repara na contradição: não é a arte que deixa de existir, mas sim os artistas. Os artistas são uma praga, a ideia de autor é uma praga que um dia findará. É isso que teá fim, não a arte. A arte só acabará quando desaparecer o último ser humano. Um dia tudo será como as pinturas rupestres, sem autor. A arte está lá, mas não sabemos quem as pintou. E isso é mau? Algumas das melhores obras antigas não têm autores, ou foram resultado de esforços colectivos. Penso na Bíblia, no Bhagavad-Guitá, no Livro dos Mortos, etc, etc, etc...

 
At 1:58 da manhã, Anonymous Mick said...

Embora concorde com alguns pontos do texto, nomeadamente com a ambiguidade do estatuto do "artista", que há ainda há bem pouco tempo- no séc. XVIII, por exemplo- (pelo menos, os músicos europeus), entravam com os cocheiros pela cozinha das mansões e viviam da pensão do bispo, arcebipo, príncipe, whoever que os sustentava, irrita-me sempre esta ideia de que todos somos artistas (ou podemos bem vir a ser: levantamo-nos de manhã, e passamos ao nosso momento de criação), e quem é que não gosta de ser artista... Então e a técnica, não é precisa? Fazem-se bolos e mousse de chocolate com a mesma aptidão com que se compõe um Requiem, ou se pinta um quadro? E o talento -humano, pois é-, também não conta? Além de que prever o futuro da música, é no mínimo, arriscado e inconsistente. Será que já se inventou mesmo tudo no universo musical? E o que é tudo? A mera tentativa de ir mais além dos 100 metros, é já o maior dos privilégios para a precaridade e efemeridade humanas. Teorias evolucionistas na criação? Até o Auguste Comte se enganou. Se calhar, não vamos para melhor; nem para pior.

 
At 8:29 da manhã, Blogger hmbf said...

Não se irrite, mick. É o tempo em que vivemos, é o tempo em que viveremos. Todos somos, de facto, artistas. A era dos especialistas da "criação" (ah, ah, ah) já era. A máquina substituirá a técnica, o talento (que ideia!) estará em saber manipular os números, as programações. Vá a uma "disco" e (ou)verá. No outro dia, andei a perguntar às pessoas que dançavam alegremente ao som dumas batucadas se sabiam quem era o autor daquelas músicas. Todas me diziam que era o DJ, esses tipos que cujo talento reside na arte de seleccionar e misturar. Um puto disse-me mesmo que isso não interessava, que até um cego dançava aquilo, o que importava era as vibrações. Quem já viu concertos de Daft Punk e Chemical Brothers fica parvo a olhar 40, 50, 60 mil pessoas, estáticas, fixas num palco onde só vêem luzes e sombras, de onde se projectam misseis sonoros saídos directamente de computadores e afins. Este é hoje o universo da música pop. Você fala de outro universo, o da música dita "erudita". Pois, será como a poesia. Terá 300 ouvintes.

 
At 11:08 da tarde, Anonymous mick said...

Tantos? Acho óptimo os 300, também (à vezes também as lojas...), e ainda bem que estamos de acordo que as actividades "minoritárias" não são imortais, intemporais, sempre "fashion" e iluminadas...
E já me passou a irritação. Saudações barrocas.

 
At 1:36 da manhã, Anonymous mick said...

Lamento, mas essa do seu "que ideia!" sobre o talento, aguçou finalmente e de novo a minha irritabilidade. Só posso entender essa expressão como uma clara provocação: então você acha que este também não existe? Não só não é preciso técnica para nada a não ser para uma tal de música "com mofo", e a tal de poesia "com bolor"; pelos vistos você fica mesmo parvo a ver os tais 40 mil a olhar para os totalmente desprovidos de talento Chemical brothers, e outros (ainda se ficasse parvo com o talento deles, ainda vá que não vá...). Mas ainda assim, vou-lhe dar um exemplo simples e claro: o "seu" Sporting Clube de Portugal não tem talentos? Atão e o Liedson? Também os vai substituir por máquinas? Já não há arte num lançe de bola parada? QUE IDEIA!!!

 
At 10:05 da tarde, Blogger hmbf said...

mick, obrigado pelo comentário. agora não estou com paciência para lhe explicar o que você não soube ler.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home