30.11.06

Ter Ser

Apenas no amor o ser e o ter se encontram. Uma pessoa está perdida quando sente que não tem amor para dar. Quem não tem amor para dar já não tem nada, já não é. Ter amor para dar é ser, não o ter é não ser.

8 Comments:

At 12:38 da manhã, Anonymous fernando said...

ter ou não ter, eis a questão...
um slogan à altura da sociedade de consumo ;)

 
At 4:07 da manhã, Anonymous amc said...

Um mais imediato: estar

Já não sou se deixei de estar, a transitoriedade do ser (fluxo) inicia-se quando deixámos de estar (marco).
Um grande abraço (pressinto a necessidade de reforço adjectival),

André

 
At 10:18 da manhã, Anonymous hmbf said...

Grande slogan, Fernando.

AMC, essa é outra questão - deveras interessante, como é óbvio.

 
At 11:18 da manhã, Anonymous fernando said...

AMC, não tenho assim tanta certeza... Estar é ser num dado momento. Deixei de estar mas continuo a ser. E sou mesmo que não esteja.

Veio-me agora à cabeça que isto noutras línguas é mais complicado. Em francês e inglês, por exemplo, só há um verbo para os nossos ser e estar.

Traduzir para inglês "sou mesmo que não esteja", uma frase que faz sentido para nós, resultará em algo fantástico como "I am even if I am not".

Vem-me cada merda à cabeça de madrugada!...

 
At 5:30 da tarde, Anonymous amc said...

Curioso, meu caro Fernando. Quando li o curto e estimulante ensaio do Henrique acometeu-se de mim o veemente impulso de divagar, digno de um intrépido complicador – tem sido assim o meu ser –, supostamente introduzindo uma nova variável – dicotómica: estar ou não estar –, massacrando-me as significações inglesa, francesa e italiana de “to be”, “être” e “essere”, respectivamente.
Defini então “ser” como o continuum e “estar” como momentum no seu sentido mais restrito dada a sua polissemia.
Mas estou como tu dizes Henrique, isto é outra coisa. E Fernando, estas libertinagens linguísticas também se me acirram com a madrugada.
Um abraço aos dois,
André

 
At 3:17 da tarde, Blogger Delacroix said...

Apenas amor encontram.

pessoa não tem amor para dar.

Quem não tem amor não é.

Ter amor

Tengas por tí,

... quieres !

deshazte

de

tu

vacío

y

liberate.

 
At 6:48 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Coloquei esta reflexão na "minha" reciclagem do mês.
Está lá com o link para aqui. Espero que não te importes. Amei-a.

 
At 8:27 da manhã, Blogger sub rosa said...

My two cents , na questão: queridos Fernando e Henrique:

Atenho-me não ao *estar*, mas à outra face da moeda entre o ter amor para dar e ...o "receber amor"
Uma frase de Shakespeare na peça que mais amo`é: "Quanto mais tenho mais te dou..."
É uma verdade - embora possa ser discutível - ao final, incontestada.
Remonta aos gregos, ao Banquete, como bem sabes, a história de Amor (nem Eros nem Cupido) Amor simplesmente, que possui essa dicotomia: é filho de POROS e PENIA. Riqueza e Artifício por um lado e a Indigência, por outro dizem bem o que é Amor.
Assim sendo é muito belo, viver tendo amor para dar, mas seca-se e muito, quando não se recebe amor.
Um beijo a todos em especial ao Fernando que, finalmente, está de novo em minha vida, de onde, aliás nunca saiu.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home