11.4.07

METAFÍSICAS

Porque deixar-me a sós com uma espingarda
se ela se fez para vos matar?!
Não quero por ora tal destino
nem a voz se abriu para me calar.
O que desejo? Dêem-me licença
de não estar de acordo nem comigo
quando quero carne e me dão peixe
ou – passe a moda – à mesa troco
a arte mais nova pela antiga.
O importante – sentir-me constante
e favorável a todo o capricho
que for d’encontro à minha vontade,
ou, pelo contrário, a contradiga.
De resto, amigos, não me atrasem
com respostas e perguntas vossas,
nem com pedidos insignificativos
que me deixam perdido a horas mortas.
Se quiserem matar-me, não me importo,
se entanto tiverem tento e corteisa,
mas não esqueçam as vossas espingardas,
que a minha só dispara em poesia.
Quando quero peixe e me dão carne
vou comprá-lo a outra freguesia.
E quanto à arte tenho a que me agrada
sem que por isso renegue a fantasia.

29/11/74

Ruy Cinatti

Ruy Cinatti nasceu em Londres em 1915. Os seus primeiros versos são publicados no Colégio Nun’Ál-vares, em 1932. Licenciou-se pelo Instituto Superior de Agronomia de Lisboa em 1941 e diplomou-se, por Oxford, em Etnologia e Antropologia Social. Desempenhou funções de meteorologista aeronáutico e foi chefe de gabinete do governador de Timor, onde viveu alguns anos. A partir de 1966 encontrou-se proibido de voltar a Timor, instalando-se definitivamente em Lisboa no ano seguinte. Autor de uma obra poética relativamente extensa, foi, com Tomaz Kim e José Blanc de Portugal, um dos fundadores dos Cadernos de Poesia (1940-1953), que co-dirigiu nas suas três séries, sendo também o fundador da revista Aventura (1942-1944). O seu primeiro livro de poesia, Nós Não Somos Deste Mundo, saiu em 1941. Viajante incansável, adoece gravemente em 1986, acabando por falecer na noite de 11 para 12 de Outubro.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home