26.12.07

PARA O PESSOA

o cais da pedra nunca foi seguro

as nossas naus cacilheiros
nunca saíram a barra
e é mentira o mar
galgado de marinheiros

sonhos que não soubemos,
sonhar?

o destino dos portugueses (havendo)
grandeza é não serem portugueses
- é sabido

o cabo da boa esperança espera ainda
o Portugal marinheiro, o que nunca foi,
tão curvados andamos
portugal dos pequeninos

(que sede essa matada a cal?
ma espuma do mar da palha
- que é do rio?)

portugal nunca foi no mar
- de que serve erguer
velas sem vento
mercadores e sotainas remando
sim, rimando
poetas e piratas
o mundo novo? –

portugal em terra é um naufrágio

Jorge Fazenda Lourenço
Jorge Fazenda Lourenço nasceu na Covilhã, em 1955. Poeta, crítico e ensaísta, obteve, em 1933, o grau de Doctor of Philosophy na Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, com uma dissertação sobre a poesia de Jorge de Sena. Tem colaboração dispersa por vários jornais, revistas e volumes colectivos, portugueses e estrangeiros. Estreou-se em livro com Pedra de Afiar, publicado em 1983 na colecção Gota de Água da INCM.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home