27.3.08

Um poema* de António Cabrita e uma foto de Kate Breakey



DELHI
(Grande Mesquita)

Não te emociona o silêncio, os seus detalhes,
o arabesco dos arcos de acesso ao mihrab,
o colorido dos turbantes, que apontam Meca;
sequer a Caligrafia onde aquele que há mil anos
cuida do gado vem rememorar o Nome.

Corsário cativo das rotas do sangue
nunca subirás lestamente as escadas
que conduzem aos Pés do Mestre.

E contudo, à revelia do teu ânimo
dissoluto, o gato de Rumi salta
entre uma e outra veia e sussurra:
«reabre o coração e verás as grainhas
do vácuo, mil olhos cravejados de Céu».


*Selecção de Jorge Aguiar Oliveira

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home