22.5.08

um amigo

chora no ombro onde pousa
o amigo é um violino
estimado, obstinado
mesmo se dorme ao colo aberto de pau santo
de alfinete paciente e carinho antigo
o virtuoso ausente
omnipresente como um príncipe
e prenhe do murro seco
no estômago do mundo
o amigo é um chicote de raios de sol
para sacudir e arejar o pólen ao corpo indefeso
ao coração inocente e sábio
e ao suor da planície
é um homem à rasca pelo que fez por nós
mas não disse, não disse


Joaquim Castro Caldas

Joaquim Castro Caldas nasceu em Lisboa em 1956. Actor, boémio, poeta, diseur conhecido pela dinamização das segundas-feiras de poesia no Pinguim Café, no Porto, publicou livros de poesia tais como Português suave (1978), Convém avisar os ingleses (2002) e Mágoa das Pedras (2008).

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home