21.1.06

POLAROID

Pela tarde o céu a terra
e mesmo tu formam uma densa pasta
de nuvens.
Recordo a tua boca, as tuas pernas
em arco sobre o penedo quente.

Os poços entram em colapso,
o verão arrasta multidões
para as ravinas do lugar comum.

O chapéu descaído
protege-te os olhos
que se movem com translúcido torpor.

Agora que passaram séculos
sobre esse único beijo estou
sem vontade de fingir

a relutância
do meu desejo. Esta polaroid, já seca,
encena também a minha morte.

Fernando Luís Sampaio

Fernando Luís Sampaio nasceu em Moçambique em 1960. Viveu e estudou em Viseu, cidade onde terminou o liceu e se iniciou na escrita. Em 1981 recebeu o Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores com o livro Conspirador Celeste (Publicações D. Quixote). Publicou, ainda, Sólon (IN-Casa da Moeda), Hotel Pimodan (Frenesi) e Escadas de Incêndio (Quetzal). Está representado em várias antologias e traduzido em francês, espanhol, italiano, inglês e croata. Foi director do Festival Mergulho no Futuro, na Expo' 98, e actualmente é director do IPAE.»

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home