24.7.06

Via Natureza do Mal

13 Comments:

At 11:16 da tarde, Anonymous Roteia said...

Oh, coisa terrível, vêm lá os anti-semitas!
O povo judeu, coitadinho, que sofreu o holocausto nazi, tem o direito de se defender dos malvados árabes (isto é, de fazer também os seus holocaustos, onde e quando bem entender, até à eternidade).
Deus é grande!

 
At 11:29 da tarde, Anonymous Roteia said...

Falta dizer que a ajuda de Hollywood para a vitimização dos judeus tem sido preciosa. Imagine-se que o cinema americano decidia produzir filmes sobre holocaustos africanos ou árabes...

 
At 12:19 da tarde, Blogger Nlpn said...

Já não há paciência para os idiotas que acham que Israel são os "maus" e os árabes/palestinianos/sírios/libaneses/extra-terrestres são os "bons".
Isto é de uma ignorância atroz.

Sim, está a decorrer uma guerra -
Sim, morrem pessoas, muitas das quais inocentes - mas como é óbvio, qualquer país tem o dever de proteger os seus cidadãos e a sua integridade territorial.
Naturalmente, seria melhor "negociar" ? Talvez trocar 2 soldados por dezenas ou centenas de prisioneiros palestinianos - encorajando novas acções semelhantes...

Como é evidente, o ataque ao Líbano é uma forma de Israel projectar força, atacando directamente o seu inimigo - o Hezbollah (pelos vistos, confundido, em Portugal com algum clube de futebol, que conta com o apoio da Síria e do Irão, os quais vão mantendo assim o controlo sobre o Líbano.

 
At 12:23 da tarde, Anonymous hmbf said...

nada de confusões
não é guerra
é coerção estratégica:

http://antologiadoesquecimento.blogspot.com/2006/07/oriente-crise-de-novo.html

 
At 1:01 da tarde, Anonymous Roteia said...

Já não há paciência para os convencidos (idiotas nem pensar...) que acham que os árabes/palestinianos/sírios/libaneses/extra-terrestres
são os "maus" e os Israelitas são os "bons".
Isto é de uma ignorância atroz.

Porque será que o Deus de Israel é melhor que o Deus dos árabes ou dos extra-terrestres? Ou vice-versa.
Isto daria um belo guião cinematográfico!

A propósito de futebol, registo a inocente expressão "o ataque ao Líbano é uma forma de Israel projectar força, atacando directamente o inimigo".
Só não se entende porque é que o árbitro permite que se lancem bombas de gaz tóxico sobre o adversário.
E o resultado já vai em Israel 2 - Líbano 0.

 
At 1:40 da tarde, Blogger manuel a. domingos said...

numa guerra não há vencedores nem vencidos, nem bons nem maus, só há pessoas que morrem, quer de um lado como do outro.

e é disso que estamos a falar: de pessoas

 
At 4:03 da tarde, Anonymous Jt said...

Eu já andava a deixar uns comentário num Blog, que por acaso está muito bem feito.
Agora vim aqui ao "Insonia" e reparei neste cartaz. Sinceramente já estou farto deste tema. Mas só para acabar eu peço às pessoas que com tanto afinco defende árabes, palestinianos, sírios, libaneses, etc que se coloquem (se conseguirem) no lugar dos Israelitas e me digam o que voces fariam no lugar deles? Eu que sou um defensor afinco de Israel, ja me consegui colocar no posição daqueles povos e concordar com muita boa gente que o que é demais, é demais e que Israel deveria tentar uma alternativa (se calhar bombardear os comunas portugueses, será possivel?! É só uma ideia).
Já agora reparei numa coisa que a/o roteia disse (desculpa mas n sei se és o ou a) sobre Deus judeus e Deus Árabe. Tu já pensaste que tanto um como o outro e tanto como o cristão podem ser o mesmo?
Não acho que a religião e as crenças sejam para aqui chamadas, pois as guerras ou os atentados terroristas são feitas por homens sem consideração pela vida humana!

 
At 4:36 da tarde, Anonymous Roteia said...

Pois JP, as religiões têm exactamentete a ver com isto. Explico-me: as religiões são sistemas de poder sobre os cidadãos, e mais que isso, sobre as suas almas. Sobretudo são sistemas de manipulação, em que se ditam as regras aos crentes como se a hierarquia religiosa fosse uma extensão do divino. Em nome de Deus, hoje como em todas as épocas históricas, cometeram-se todo o tipo de atrocidades.
Deus é, para quem nele acredita, uno. As religiões não.
Porque será que as guerras têm quase sempre motivações religiosas, ou associadas a grupos religiosos? Já reparou que todos os sistemas imperiais, quer laicos, quer teocráticos, invocam Deus? A título de exemplo: Os discursos do presidente dos EUA terminam sempre com esta frase: God Bless America.

 
At 5:40 da tarde, Blogger manuel a. domingos said...

eu não sou crente, ou então sou como o outro que dizia que um pessimista é um optimista mal informado, ou seja, talvez seja um crente mal informado.

quanto à questão de Deus, Deus há só um: seja ele o cristão, o muçulmano ou o judeu. Deus é Deus, ou como ele próprio diz a Moisés: «EU SOU AQUELE QUE É» (Êxodo, 3, 14).

relativamente à questão da unidade, aí é que a porca troce o rabo: Deus é uno para os muçulmanos; para cristão existe a Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo); para o judaísmo Deus é, também, uno.

Assim, existem mais semelhanças entre o judaísmo e o islão do que entre estes dois e o cristianismo. E não podemos esquecer que tanto um como os outros derivam da mesma linha: Abraão (que representa a religião primordial).

No entanto, Deus só é uno para islão e judaismo.

quanto às religiões serem sistemas de poder sobre os cidadãos, e, mais precisamente, sobre as suas almas, é algo com o qual eu discordo. contudo, entendo que isso possa ser concluído, pois já muito de mau se fez em nome da religião e da fé.

 
At 9:55 da tarde, Blogger Goiaoia said...

Óh Jt e óh Manuel Domingues, unos ou Hunos vai dar quase ao mesmo! Quuuuuuuuuuuase.
Porque apesar de estarmos a tratar das três (e únicas) religiões monoteístas ele há diferençassignificativ'ó curiosas:
Uns crêem no Deus Irae;
Outros num intermedário (o Maomé é o Messias!);
E os outros são uns Bananos.

Agora, julgo que foi por aqui (neste blhógue) que tropecei numa frase do Gandhi que desconhecia:
"Olho por olho e dente por dente vai-nos deixar zarolhos e desdentados!"

p.s. Este blhógue é dos mais interessantes em que tropecei..

 
At 11:45 da manhã, Blogger Nlpn said...

Roteia - não me verá dizer que o Deus de uns é melhor que o de outros. Simplesmente, perceba isto:

1 - Israel é um Estado com cerca de 60 anos.

2 - O objectivo declarado do Hamas e do Hezbollah, incitados e financiados pelo Irão e pela Síria, é a destruição de Israel.

3 - A não ser que neguemos a Israel o direito de existir, somos forçados a perceber que, sendo um país "encravado" Israel terá que se defender dos ataques dos seus inimigos.

4 - Os inimigos que Israel persegue não possuem exércitos regulares nem usam tácticas militares convencionais - utilizam tácticas de guerrilha e terroristas. Misturam-se com as populações civis (que os apoiam e/ou toleram), beneficiando de um excelente escudo

5 - O Libano é a base do Hezbollah, que lança dali os seus ataques a Israel.

6 - A obrigação primordial e razão de existência de qualquer Estado é defender a sua integridade territorial e a segurança dos seus cidadãos.

Não compreender isto e pensar que tudo se resolveria pacificamente - ou quem sabe, com umas bombas que escolhem só os maus - é de facto idiotice.

 
At 1:13 da tarde, Anonymous Jt said...

Roteia, tal como tu disseste são os seres humanos que mal utilizam a religião. São homens que convensem outros homens a cometer atrocidades. Essas pessoas que não tem amor pela vida seja a deles ou a dos outros.
Quem é que acredita que um ser supremo que é apologista da Paz (pelo que eu sei) diz para o pessoal ca na terra matarem o proximo. Só pessoas fracas de espirito é que acreditam nessas coisas. Infelizmente é o mundo.
Goiaoia isso que tu disseste até tem certa razão, mas tanto nós como os mulçumanos ou os judeus temos um Deus supremo. Nós só lhe chamamos Deus, os judeus acho que também e o mulçumanos chamam Alá. Claro que depois nós e os mulçumanos temos um intermediario (Jesus no nosso caso e Maomé no deles), mas o chamado Criador poderá ser o mesmo. Bem, o nosso e o dos judeus deve ser o mesmo já que a nossa religião separou-se da dos judeus, mas será que o Deus mulçumano não será o mesmo que o nosso e o judeu, só com outra designação?

 
At 2:42 da tarde, Blogger manuel a. domingos said...

como já referi anteriormente o Deus é o mesmo para as três religiões: Cristianismo, Judaísmo e Islão.

Adão é considerado o primeiro profeta da Humanidade. Segue-se Abraão, que representa a religião primordial. Depois de Abraão dá-se uma divisão:Isaac (filho de Sara) dá origem a Jacob e às 12 tribos de Israel, que por sua vez dão origem ao Judaísmo (cujo profeta é Moisés) e ao Cristianismo (cujo profeta é Jesus Cristo, que é o último profeta da real tribo de Judá); e Ismael (filho de Agar), que constrói a casa de Deus (Kaaba), que se situa em Meca, e que dá origem ao Islão (cujo profeta é Maomé).

Como se pode ver o Deus das três religiões é só um. O nome ALLAH, é simplesmente o primeiro nome de Deus, pois no Islão existem 99 nomes para Deus, entre eles:

Al Rahman (الرحمن) O Compassivo
Al Rahim (الرحيم) O Clemente
Al Malik (الملك) O Soberano
Al Quddus (القدوس) O Sagrado
Al Salam (السلام) A Paz
Al Mu'min (المؤمن) A Fonte da Fé
Al Muhaymin (المهيمن) O Protetor
Al 'Aziz (العزيز) O Poderoso (Onipotente)
Al Jabbar (الجبار) O Irresistível
Al Mutakabbir (المتكبر) O Majestoso
Al Khaliq (الخالق) O Criador
Al Bari' (البارئ) Aquele que evolui
Al Musawwir (المصور) O Modelador
Al Ghaffar (الغفار) Aquele que perdoa
Al Qahhar (القهار) O Dominador
Al Wahhab (الوهاب) O Doador
Al Razzaq (الرزاق) O Provedor
Al Fattah (الفتاح) Aquele que abre
Al Alim (العليم) O Onisciente
Al Qabid (القابض) Aquele que constringe
Al Basit (الباسط) O Magnânimo, o munificente
Al Khafid (الخافض) Aquele que rebaixa
Al Rafi' (الرافع) Aquele que exalta
Al Mu'izz (المعز) Aquele que honra
Al Mudhill (المذل) Aquele que humilha

estes nomes são expressões de louvor e reverência.

que fique claro que Deus é SÓ um.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home