29.10.06

A ESPANTOSA AVENTURA DE VLADIMIR MAYAKOVSKY

na dacha Rumyántseva, em Púshkino, colina Akúlov, a 27 verstas de Moscovo pelo caminho de ferro de Yarosláv

Como cento e quarenta sóis o sol-pôr resplandece,
Julho bem entrado,
um calor
pesado
na dacha.
Curvava-se o cabeço de Púshkino
para o morro de Akúlov,
e no sopé da colina –
uma aldeia
torcendo-se em telhados de casca.
E atrás da aldeia –
um buraco,
e a esse buraco, certamente,
descia o sol todas as tardes,
lentamente.
E no dia seguinte
de novo
a inundar o mundo
erguia-se vermelho.
E dia após dia
terrivelmente a irritar-
-me
lá estava
ele.
E assim enfurecendo-me um dia,
de raiva fiquei pálido
e gritei:
‘Vai-te!
Chega de preguiçar no Inferno!’
E prossegui:
‘Parasita!
Entre as nuvens sem fazer nada
e eu aqui – há tanto tempo
sentado a desenhar cartazes!’
E ainda:
‘Espera!
Escuta, ó cabeça doirada,
porque não deixas essa vida,
e não vens até minha casa
tomar chá?’
O que eu fiz!
Estou tramado!
Para minha casa,
como um boi manso,
estendendo os raios-passos
andou o sol nos campos.
Não quero mostrar receio –
e retirar-me de costas.
Mas já estão no quintal os seus olhos.
Já anda no meu quintal.
Pela janela,
pela porta,
pelas gretas
escorre a massa do sol,
tudo invade;
e tomando alento,
começou a falar:
‘Afasto-me do fogo
pela primeira vez desde a criação.
Chamaste-me?
Então vamos ao chá,
ao chá, poeta, com geleia!’
Eu estava com lágrimas nos olhos –
meio louco de calor
mas apontei-lhe o samovar:
‘Então,
senta-te, astro!’
O diabo tirou da manga a minha audácia
de lhe gritar –
desconcertado,
sentei-me no meu canto,
temendo o pior!
Mas os estranhos raios do sol
Correram, -
e a minha tensão
esquecendo,
sentei-me, a conversar
com o astro calmamente.
Falei disto,
daquilo,
da horrível ROSTA,
mas o sol:
‘Muito bem,
não te zangues,
encara as coisas com simplicidade!
E eu, julgas
que brilhar
é fácil?
Experimenta!
A mim
disseram-me que fosse brilhar,
e eu brilho com toda a gana!’
Demos assim à língua até ao escurecer –
isto é, até à noite passada.
Que escuridão esta!
Em ‘ti’
há eu e tu, coragem.
E não tardámos
a ficar amigos.
Bato-lhe no ombro.
E o sol também:
‘Tu e eu
somos camaradas!
Vamos, poeta,
olhemos,
cantemos
neste mundo tão chato.
Eu ponho a minha luz solar,
e tu – a tua
em versos.’
As paredes de trevas,
as prisões da noite,
sobre a terra serão esmagadas pelos nossos dois ataques.
A desordem de versos e de luz –
brilha naquilo que atinge!
Cansa-se então,
e quer
dormir,
esquecer no sono.
De repente – eu
com toda a força brilho –
e de novo o dia nasce.
Brilhar sempre,
brilhar em toda a parte,
até ao dia em que a fonte da vida se esgote,
brilhar –
e é tudo!
É o nosso lema – meu
e do sol!

Tradução de Manuel de Seabra.


Vladimir Mayakovsky

Vladimir Mayakovsky nasceu na Geórgia em 1893. Aos 14 anos entrou para a facção bolchevique do Partido Social-Democrático Operário Russo, tendo sido preso várias vezes. Entrou na Escola de Belas Artes, onde se encontrou com David Burlyuk, que foi o grande incentivador de sua iniciação poética. Em 1912, com David Burlyuk, Khlebnikov e Kruchonykh, publica o manifesto cubo-futurista intitulado Uma bofetada no gosto do público. Após a Revolução, trabalhou na Agência Telegráfica Russa, foi redactor da revista LEF (de Liévi Front, Frente de Esquerda), escreveu teatro, fez inúmeras viagens pelo país, aparecendo diante de vastos auditórios para os quais lia os seus versos. Nuvem de calças, publicado em 1915, foi talvez o seu primeiro grande poema a ser editado. Suicidou-se com um tiro, aos 37 anos de idade, em 14 de Abril de 1930. »

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home