21.2.07

Verdade verdadinha.


Anda para aqui um tipo a masturbar-se a torto e a direito, perdido em fantasias irrealizáveis, para depois ter a solução de todos os seus problemas estampada num post. Ora toca lá a disparar sem restrições, que isto de impor limites ao pirilau não dá com nada. O meu problema é o existencialismo. É que, mais tiro menos tiro, o que me esburaca todo é pensar que nem a disparar darei algum sentido a isto que é viver. Não é o amor que é fodido, é a vida. E contra isso não há sexo a fazer. P.S.: quanto aos celibatários arrependidos, deixem lá: mais vale muitas por dar do que uma mal dada. Fala a voz da experiência. P.S.2: um amigo aqui ao lado diz-me que estou errado, que de todas as mal dadas que deu só se arrependeu de uma: a que ficou por dar. Enfim, ele há vidas…

2 Comments:

At 5:14 da tarde, Blogger Nakata said...

No fundo, o verdadeiro sentido da vida é não ter sentido nenhum... (digo eu!) Por isso, só se perdem as que caem no chão...
Aproveito, além disso, para agradecer o seu link e comentário. É que, novo como sou nestas lides, não deixa de ser engraçado saber que não somos lidos apenas por amigos e conhecidos.
Bem haja...

 
At 5:16 da tarde, Blogger hmbf said...

:) Saúde,

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home