21.9.07

Nada sei das verdades dos homens:

toco a pedra, a beira do poço
e sou água, memória,
dança antiga das mãos sobre as pedras –

encosto o ouvido ao corpo das árvores
e renovo a certeza de ser o fundo mais fundo da terra,
raiz, seiva e sangue onde o amor acaba
onde o amor começa –

um pé depois do outro
acerto o passo com o ritmo do peito –

colho flores com as minhas mãos de deixá-las
onde estão, a minha maneira de amá-las inteiras.


Ruta Mota

Rute Mota nasceu em 1980. Licenciada em Sociologia, publicou prosa e poesia em várias revistas. Traduziu, do francês, poemas de Maram Al-Masri. Publicou, em 2007, o livro de poesia Nenhuma Palavra nos Salva.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home