1.10.07

BOA IDEIA

Amanhã vou experimentar isto no partime. A propósito, fiz hoje as minhas primeiras duas vendas. Sem impingir, Senhora Dona Rute.

2 Comments:

At 12:54 da manhã, Blogger R. said...

Ai! É exactamente assim, "Senhora Dona Rute". Até senti um arrepio... :)

Só por causa disso, levas com uma tradução feita às três pancadas (Se alguém a quiser corrigir, faça o favor. O original está aqui: http://www.mennaelfyn.co.uk/pages/poems/songof.htm)



Canção de uma pessoa sem voz para a British Telecom


Ga’ i rif yng Nghaerdydd , os gwelwch…’

‘Fale mais alto!’

‘GA I RIF YNG NGHAER-‘

‘Fale mais alto – tem que falar mais alto”.


‘Fale mais alto’ é, claro está
A ordem para falar inglês.
Eu condeno-me a uma vida
De frases que não fazem sentido.
Sem pronúncia, sem proclamação,
Entoação. Estou infectada
Pelo mutismo. Nem posso satirizar,
Cantar afinada; muito pouco posso
Entoar. As minhas orações de graças
Não são música nem balbucios.
Não sou ouvida na Oração da Noite
Nem nas Manhãs triunfais,
Nem sou a voz na bronquite
Que apesar de rouca é vibrante.

Um impedimento, então? Não. Nem língua inchada,
Nem como os meus pais tenho compulsão para agradar.
E se eu não tenho discurso
Que dizer da fluência do meu povo?
Somos mudos, Trapistas,
Conspirados numa esquina.
A linguagem usurpadora penetra
No mais profundo do nosso ser.
Um ministro da escuridão a cujo passo
A nossa civilização deve ceder terreno.
Da segurança da minha televisão
Vejo nações impelidas para um buraco,
Nada possuindo que não a sua expropriação,
Abafos sobre as suas bocas,
O seu ofício cativo sob recolher obrigatório.
Há uma injunção contra o seu discurso,
E percebo que é Y GYMMRAEG que partilhamos.

Assim quando me voltarem a ordenar
Que ‘fale mais alto’
Deferindo a cortesia
Que é nossa convenção,
Com igual cortesia eu pedirei ao operador
Que “fale mais baixo”;
E como “sutiãs sonoros”
Insinuarei a superfluidade do arame farpado,
Uma vez que a nossa linguagem tem artigos de berilo.
Cantarei e estabelecerei contacto
Em cynghanedd, como as pequenas nações fazem,
Um povo em contraponto
Ao leitmotiv, embora
A sua tendência seja dominante,
Acabando sempre na mesma
Monotonia obstinada
Com o mesmo interesse apaixonado
Embora mortalmente silenciada a nossa métrica.

‘A nawr a ga i-
y rhif yna yng Nghaerdydd’.

 
At 10:40 da manhã, Anonymous hmbf said...

Ah, ah, ah... Excelente!

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home