20.2.06

Granizo

Não tem geologia o medo que sinto ao olhar o futuro. Não por mim, nem por ti, mas pelo que há-de ficar para lá de nós dois. Que temperaturas tão frias nos chegam dos céus! A agonia em que fico é a agonia em que me deito, sempre que olho no medo o tempo que virá. E escuto depois as pedras assobiando um vento de séculos passados, dizendo-me que sempre assim foi o gelo das noites. Caem agora contra o vidro, como que vindos de uma distância ausente, mas sempre aí estiveram à espreita do nosso pavor. Embora não tenha filiação, este frio há-de deixar filhos para o acontecer que será. Concluo daqui um som saído dos retornos: as balas, os rasgões, rastros de sangue a trilharem o caminho, novos prismas para um mundo gelado como o granizo de plástico a perfurar-nos a epiderme.

4 Comments:

At 10:15 da manhã, Blogger Isis said...

tão bonito este texto! (tive mm de dizer isto!)

 
At 12:58 da tarde, Blogger MC said...

:)

 
At 2:41 da tarde, Blogger Silvia Chueire said...

Gosto mesmo de ler estes seus textos.

Abraço,

Silvia Chueire

 
At 5:30 da tarde, Blogger hmbf said...

Obrigado a todas pelos comentários.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home