14.6.06

Escrever

Antes que seja tarde, devo dizer que considero o acto de escrever pouco saudável.
E gostaria que o tom fosse considerado como um desabafo, e não confessional.
Decorrido meio século de existência, aprendi a coabitar comigo mesmo.
Quer essa relação se assuma como um comovido
flash back, ou um severo ajuste de contas.
Felizmente, sobra-me mais tempo para esquecer do que para emendar.
Decorrido meio século de existência, li e escrevi o suficiente para considerar a escrita – como qualquer outro acto criador – antropófaga até à vileza.
Ninguém se surpreenderá se afirmar que a minha geração superou esse objectivo.
Excedendo-se no
show off, ou no striptease onanista, onde um predisposto auditório se reconhece e excita.
A leitura das gerações que me precedem, em nada tem contribuído para perturbar, ou abalar, este assumido preconceito.
Os Pessoa, Kerouac, Ginsberg, Hemingway, Michaux, Aquilino, Cardoso Pires, o exaltante Saint-John Perse, ou o inevitável Herberto, todos me recusaram uma escrita límpida e saudável.
Até mesmo em
O Sorriso aos Pés da Escada, o único Miller que conservo, a beleza é perversa e sublinhada por um fio de pus.
Todos eles me envenenaram uma predisposição que começou por ser saudada na escola, e onde a família se conformou em depositar esperança de que continuasse a ser bonita.
E, sobretudo, que tivesse futuro.
Antes que seja tarde, devo esclarecer que ainda hoje tenho relutância em considerar o futuro, e que me reservo o maior desprezo pelo presente.
Sem pretender a honestidade que, dificilmente, reconheço nos outros, arrisco que a escrita – como qualquer outro acto criador – precisa de vítimas.
E alimenta vítimas.

Jorge Fallorca

Jorge Fallorca nasceu no dia 15 de Junho de 1949. Poeta, tradutor e jornalista, frequentou o Círculo de Artes Plásticas de Coimbra. Representado em várias antologias, tem grande parte da sua obra reunida no livro Fruta da Época (frenesi, Maio de 2001). Ter-se-á estreado em livro em 1976, com Imitação da Morte dos Outros (& etc). Poemas seus podem ser encontrados em revistas e antologias tais como Grade, Poesia 70 e Poesia 71, Continente/1, Aresta, & etc, Sema 1, frenesi 1980-1982 e Sião. Em 1999 venceu o IV Concurso Internacional Literário de Primavera/Poesia (Brasil). Foi-lhe ainda atribuído o Prémio Literário Cidade do Funchal, Edmundo Bettencourt/Poesia, 2000. O poema que aqui transcrevemos, foi citado do livro Longe do Mundo (frenesi, Maio de 2004).

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home