3.6.06

Orações de Ponette

11
Canto pelo bosque
desenhado na fronha
da minha almofada
escrevo a vermelho
nas paredes da casa
desenhada na fronha
da minha almofada
? tu ouves-me homem ao meu lado
de dedos longos sem luvas
que bordas sozinho uma capa milagreira
para sair à noite
malha de Tóris para abordares as filhas de Sace
? tu ouves-me homem ao meu lado
com sangue na almofada.

12
Para te ver oleio
o meu cachimbo
alto condor dormir dentro
vale torrado.

13
No quarto escuro
continuo a revelação dos textos
recuperados na Casa Verde
da novela “O Alienista” de Machado de Assis.

1, 2, 3
4, 5, 6
7, 8, 9, 10

Nuno Moura

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home