12.9.06

Olé!

Desde que Eduardo Pitta regressou de férias, é o terceiro link que faço para o Da Literatura. Que me perdoem pela ausência de espírito, mas a verdade é que "parti o caco a rir" ao ler este comentário a um post sobre O Bairro Alto. Pedro Schacht Pereira, Mellon Post-Doctoral Fellow no Department of Romance Languages da Universidade de Chicago (vejam, se não acreditam), não se lembra «de nenhuma cidade do mundo onde tenha estado que apresente um tal nível de sujidade». Terá Pedro Schacht Pereira, Mellon Post-Doctoral Fellow no Department of Romance Languages da Universidade de Chicago, alguma vez descido a Rabat? Já terá posto os pés em Bombaim? Eu, para não ir mais longe, achei Atenas infinitamente mais suja que Lisboa. Mas eu também nunca fui muito longe. E o Cairo? Bem, nem me quero lembrar. Onde terá estado Pedro Schacht Pereira, Mellon Post-Doctoral Fellow no Department of Romance Languages da Universidade de Chicago, para fazer uma afirmação destas? Esteve em Sevilha e, vejam bem, concluiu que as pessoas em Sevilha «são bem mais porcas que os portugueses». Quais portugueses? Os portugueses de Évora, de Bragança, de São Miguel ou do Faial? Pois claro. Portugal é o Bairro Alto e o resto é paisagem. Os portugueses do Bairro Alto que se cuidem, em matéria de porcalhice ainda vão ter que deitar muita coisa para o chão, «desde cascas de camarão a guardanapos usados», se quiserem bater os sevilhanos. Mas o mais incrível são as dúvidas que assaltam Pedro Schacht Pereira, Mellon Post-Doctoral Fellow no Department of Romance Languages da Universidade de Chicago, no final do comentário. Olhem só: «E depois, falando de movida... o que é que fazem tantas pessoas na rua até tão tarde? Apenas vejo gente a disparatar, a emborcar bebidas inclassificáveis através de garrafas de litro e meio, a enrolar charros de haxixe de qualidade duvidosa, uns atrás dos outros até à insaciedade total. E depois, o que é feito do olhar das pessoas?» Não quero parecer mal-educado, mas este Pedro Schacht Pereira, Mellon Post-Doctoral Fellow no Department of Romance Languages da Universidade de Chicago, anda a ver coisas a mais com olhos a menos. Deve ser dos estudos, já que aparenta saber o quão duvidosa é a qualidade dos charros que por ali se fumam. P.S.: Não é difícil encontrar fotografias do Bairro Alto na Internet.

3 Comments:

At 11:40 da tarde, Anonymous art said...

Eu admito como frequentador assíduo do Bairro Alto nos últimos sete anos, que a coisa já esteve melhor... e não falo do que se fuma! Falo sim, da quantidade de lixo que fica para trás no final da noite - na maioria copos de plástico.

Se esses senhores me disserem que sentem nostalgia do seu Bairro Alto, isso é outra coisa... Compreendo-os, porque tenho na família quem me explicou muita da história do Bairro... compreendo também que a nível queer, o Bairro é hoje uma horrível espelunca...

os ventos mudam, os tempos também; todas as comunidades são hoje de massas, com o que isso implica...

Talvez o Bairro tenha perdido alguma qualidade com a massificação... reconheço que Berlim, Barcelona e Londres me entusiasmam mais... Nova Iorque nunca desbundei, mas, por exemplo, Ibiza ainda está pior.

 
At 12:33 da manhã, Anonymous hmbf said...

Não digo que não tenham razão no que toque a denunciar a “porcalhota” em que se tem transformado o Bairro Alto. Aliás, o mal estende-se a outras zonas de diversão nocturna pelo país fora. Em cidades espanholas e italianas, pelo menos, é a mesmíssima miséria. Talvez o mal seja dos latinos. O que me fez rir no comentário aqui em causa foi o tipo de discurso utilizado. Desde logo, a qualificação do comentador: Mellon Post-Doctoral Fellow no Department of Romance Languages da Universidade de Chicago (já agora, art, como deverei qualificá-lo/a?); depois as generalizações exageradas: "nenhuma cidade do mundo" e "portugueses" (os portugueses não se reduzem aos frequentadores do Bairro Alto); e a terminar o quadro traçado dos frequentadores do Bairro Alto, onde agora vou apenas muito espaçadamente (galeria zé dos bois, tertúlia, páginas tantas, artys, catacumbas, etc).

 
At 4:49 da tarde, Blogger Tânia Pereira said...

Eu (que só vou ao Bairro Alto nocturno duas ou três vezes por ano), que já tive o privilégio de percorrer aquelas ruas muitas vezes durante o dia em "campanhas de estudo " acerca de urbanismo e de história da arte, gostava de usufruir de um local mais limpo e mais cuidado, mais iluminado e até com mais caixotes do lixo e menos bichos a passearem-se...se para isso vão transformar o Bairro em algo muito mais elitista e de melhor frequência, para que um ou dois portugueses residentes no estrangeiro possam compará-lo a outro local boémio mas com melhor infraestruturas e europeu, então não quero! Prefiro-o assim, saudosista de melhores dias e esperançado em melhores noites. Imaginem as obras de arte foram beber inspiração a noites "sujas" do BAirro alto...músicas e quadros, fotografias e até teses de doutoramento que se descodificaram ou desbloquearam-se num qualquer balcão.
Gostei da chamada de atenção sobre o assunto e do texto,muito.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home