11.5.07

O TÚMULO DE DANTE

O túmulo de Dante. Entramos.
Calados e solenes –
tempo andante.
Não sabemos porquê,
mas entendemos: Dante… Dante…

Dante – Dante, e já não somos
os de há pouco. Há uma fronteira.
Não sentindo inveja, dor,
entramos no túmulo de chapéu na mão.

Sim, Dante. Ele – ficou,
e nós, cuja fama dura dois, três
anos,
o destino que nos coube
não ousamos sequer pôr a seu lado.

Enquanto os guias, com gosto, extensamente,
falam do seu destino,
pensamos em nós
com vaidade
e falta de respeito.

Mas bem no fundo da nossa alma,
de repente brilha um luminar:
o Sol reluz com súbito esplendor,
o Sol que foi o seu guia.

Tradução de Manuel de Seabra.
Boris Slutsky

Boris Slutsky nasceu na Ucrânia a 7 de Maio de 1919. Estudou direito e Literatura em Moscovo, tendo começado a publicar poesia em 1941, no mesmo ano em que começou a servir no Exército Vermelho. O seu primeiro livro apareceu em 1957, já depois da II Guerra Mundial, com o título Pámiat’ (Recordação). Muito influente junto das gerações mais novas, há quem afirme que a sua melhor poesia foi apenas publicada após a sua morte, ocorrida no dia 22 de Fevereiro de 1986.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home