28.12.07

O MILHÃO


Eis a marcha de quarenta
rapazes lado a lado:
um, dois,
três, quatro,
e mais quatro vezes quatro,
e ainda quatro por quatro,
e ainda outros quatro.

Eis quarenta, pelas ruelas,
raparigas, todas belas:
Uma, duas,
três e quatro,
e mais quatro vezes quatro,
e ainda quatro por quatro,
e ainda mais quatro.

Encontram-se de repente,
e ao todo são oitenta!
Um, dois,
três, quatro,
e mais quatro
vezes quatro,
mais catorze
vezes quatro,
e ainda outros quatro.

Já viraram para a praça,
e na praça, vejam bem:
não é chusma
ou companhia,
nem multidão
ou batalhão,
nem quarenta,
nem um cento,
mas é quase um milhão!

Um, dois, três, quatro,
e mais quatro
vezes quatro,
cento e quatro
vezes quatro,
duzentos mil
por quatro,
e ainda outros quatro!
Fim.

Tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra.

Daniil Harms

Daniil Harms, pseudónimo de Daniil Ivánovitch Iuvatchov, nasceu em São Petersburgo, no dia 30 de Dezembro de 1905. Usou vários pseudónimos ao longo da sua carreira, tais como DanDan, Khorms, Charms, Shardam, etc. Em 1924 foi estudar para Leninegrado, onde iniciou a sua actividade literária. Integrou o grupo da poesia «zaum», aderindo posteriormente a um grupo de poetas experimentais. Em 1927 passou a integrar a Associação de Escritores de Literatura Infantil e, já em 1928, fundou o colectivo vanguardista OBERIU. Foi na sequência das actividades deste colectivo que surgiram as primeiras críticas ao comportamento excêntrico de Harms, acabando este por ser preso em 1931. Muitos dos seus poemas e pequenas histórias foram aparecendo em revistas, não se livrando o escritor do ostracismo político e, consequentemente, de uma vida precária. Em 1941 volta a ser preso, acabando por falecer num hospital psiquiátrico em 1942.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home