5.6.06

CANTILENA

às vezes eu penso, ou então não penso.
às vezes cresço por dentro e então digo:
de quem é esta terra mais pequena, aquele
espaço no cabelo mais pequeno tão quando
a tua mão tão na minha? apertá-la é um lugar
muito perto. e digo ainda: quem é a locomotiva
de silêncio? lá fora é dia e a noite é um moinho.
sim, a planta entende as tuas pernas porque canta
nelas. a mão bate na cara, a canção hoje canta!
se alguém me perguntar eu digo que a beleza
é uma garganta toda azul a escorregar no céu.
e falo numa máquina feia de segredar ao ouvido.
quero comer o mar
quero um silêncio assim durante quinhentos poemas


Rui Costa

Rui Costa nasceu no Porto em 1972. Estudou Direito em Coimbra e foi advogado durante seis anos, em Lisboa e Londres. Concluiu um mestrado em Saúde Pública em Leeds, Inglaterra. Foi um dos vencedores do Concurso Jovens Criadores/97, do Clube Português de Artes e Ideias. Em Maio de 2005 publicou A Nuvem Prateada das Pessoas Graves, livro vencedor do Prémio de Poesia Daniel Faria 2005.

10 Comments:

At 9:56 da tarde, Blogger etanol said...

olha o Costa, está tão desfocado, é pena, o poema é muito bonito.

 
At 11:32 da tarde, Anonymous Anónimo said...

De Coimbra a um blog. Qual é a distância?
Belo poema!

 
At 12:29 da manhã, Anonymous troiana said...

as palavras sôfregas, tão sôfregas que escreves, rui... devorei-as como sempre, com o mesmo prazer com que se termina um festim, lambendo os dedos e desejando mais do que ainda não se teve. que saudades de te ler assim, sofregamente. caiu-me bem, muito bem.

 
At 12:37 da tarde, Blogger Hugo Milhanas Machado said...

Rui, acaba de ganhar um novo leitor.

Um abraço,
HMM

 
At 5:11 da manhã, Anonymous C. said...

quero um poema assim por toda a sorte dos quinhentos silêncios.

Belíssimo.

 
At 11:50 da manhã, Blogger miau said...

a irmandade das caloricas tequillas envia te um saudo de boa saude para os dias de escrita

 
At 10:33 da tarde, Anonymous José Castro said...

ás vezes penso que penso
e imagino-me a existir.

Gostei, contudo o este poema precisaria de super cola 3 para encaixar melhor dentro de si

 
At 12:11 da manhã, Blogger EU.CÁ.VOO.CAMINHANDO said...

(Fora do Contexto)

Não se se se será por aqui que te vou "encontrar", talvez sim, e somente para te enviar 1 sincero abraço pelo prémio em romance que obtiveste em terras algarvias.

(estamos em meados de Maio de 2007..)

 
At 6:20 da tarde, Blogger Aníbal Raposo said...

Gostei muito do poema. Tem mais um leitor. Se tiver pachorra passe por

http://apalavraeocanto.blogspot.com

ADR

 
At 3:50 da manhã, Blogger Flávia Muniz said...

um silêncio durante quinhentos poemas! belas imagens!

parei aqui por conta de Maria Gabrila Llansol.

Onde leio mais Rui Costa?
abraços do Brasil,
flávia

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home