20.7.06

O sonhador

Esbatida de todo toda fria
cor, da noite permanece o verde azul.
Vermelhos raios lanças
ameaçam-no, cruzando-se chocam-se
no rude rebrilhar de couraças? Ou será que
exércitos de Satanás desfilam?
Manchas que nadam nas sombras
amarelas, são olhos arrancados às carnes dos cavalos.
Indefeso, despido, o pálido corpo.
Da terra espreme-se, ralada, uma rosa-
pus.

Tradução de Manuel João Gomes.

Jacob van Hoddis

Jakob van Hoddis, anagrama de Hans Davidsohn, nasceu em Berlim no dia 16 de Maio de 1887. Estudou arquitectura, filologia clássica e filosofia. Fundou, na companhia de Kurt Hiller, Georg Heym e Erwin Loewenson, o New Club e o Neopathetic Cabaret, considerados parte do primeiro expressionismo alemão. Em 1911 publicou Weltende, o mais conhecido dos seus poemas. Mais tarde, em 1918, a sua poesia apareceu reunida sob o mesmo título. Recuperando dos primeiros sintomas de esquizofrenia, viajou por Paris em 1912. Morreu em 1942 num asilo de alienados.

1 Comments:

At 9:26 da tarde, Blogger blimunda said...

no rescaldo do ninho de cucos de ontem na um, leio este poema e escorre-me uma lágrima. maldita poesia

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home