9.1.07

O Negro e o Negro

Filipe Guerra despede-se até um dia da blogolândia. Compreendo-o, sobretudo nas desmotivações: «Como em todas as aldeias, a intrigalhada abunda, há egos tão pletóricos que qualquer dia rebentam.» Também eu ando cansado e às vezes apetece-me desistir. Mas desistir de quê? Aproprio-me de uma citação, trazida à memória n’O Vermelho e O Negro a propósito de uma dúvida que me vem assolando: «Ao espectáculo actual correspondem portanto uma mitomania generalizada, uma plasticidade da pessoa e sobretudo uma ocultação completa da realidade vivida. O desempregado, o trabalhador, o telespectador, o quadro humilhado, identificam-se mais com Bill Gates, Marcola, Zidane, Ben Laden, com o sedutor ou a sedutora da última novela televisiva do que com a sua consternadora realidade, a qual não tem qualquer lugar neste espectáculo. A mitomania generalizada actual resulta muito de um vazio abissal da personalidade, de uma ocultação completa do sujeito vivo individual (cujo sintoma mais extravagante é a alexitimia [défice de verbalização das emoções]). Se o espectáculo conseguiu dominar toda a vida social moderna foi, em primeiro lugar, porque se deparava com um tal vazio e porque permitia colmatá-lo ilusoriamente.» É por a blogolândia também não escapar a isto que por vezes me apetece desistir de supô-la um refúgio, uma alternativa, assim como que um novo parque de diversões que me proteja do mundo de todos os dias dentro desse mesmo mundo de todos os dias. Deixem-me ser piroso: eu fui por aqui ficando porque pensava que isto era um jardim. Mas afinal isto revelou-se mato grosso, um espectáculo por vezes degradante de intriga, vaidade, presunção, motivado pelo pior que há nos homens: o rancor e a frustração. O que me mantém? Alguns jardins. A teimosia.

13 Comments:

At 10:43 da tarde, Blogger Rui Pedro said...

A blogolândia só faz sentido se pretendermos que não somos lidos. No meu caso nem sequer é preciso pretender. :)

 
At 11:10 da manhã, Anonymous Anónimo said...

haveria muito a dizer, ate porque o bloguista que se retira eh, de todos os lusobloguistas, o unico grande agente civilizacional portugues. mas so me dedico a duas: o que eh isso da intrigalhada, e em que eh que interessa? nao estou com superioridades olimpicas, mas nao eh um bocado de arrogancia o pensar-se que se eh alvo de algo e que esse algo pode levar a outroalgo ainda pior? nao percebo o problemas, mas enfim ...

segunda, e agora nao vai critica, vai lamento (mas lamento surpreendido pois leio isto ah muito e nunca o imaginei assim): lamento que prefira o jardim, o mato tem muito mais piada, entenda, encanto.
(e ja agora, e muito menos passivel de acolher intrigalhada do que a miseravel harmonia de esquadria dos jardins)
saudacoes

 
At 11:35 da manhã, Blogger hmbf said...

Um aspecto porreiro de se fazer posts sobre a blogolândia é que se pode sempre contar com um comentário do JPT.

Vamos às contas:

1: intrigalhada é, por exemplo, você receber e-mails de A a dizer que B é pedófilo, que C só tem um mestrado porque editou um livro a D que por acaso lhe fez a tese, que D vai para a cama com B e que ambos fazem orgias com meninos, que E só diz bem de C porque é amigo de D que por sua vez fez um favor a C, etc, etc, etc... E receber e-mails de D a dizer o mesmo de A e de C a dizer coisas que ficam só entre nós de B, etc, etc, etc... E isto tudo só ser possível porque você tem um weblog, onde cita C, mas não cita A, refere D, mas não enuncia B... Imagine até, meu caro, que houve alguém que inclusive já me mandou um e-mail com currículo, fotografia, selecção de textos, porque exigia estar representado naquela lista de poetas ali ao lado! Se não conseguir imaginar, não lhe levo a mal. Eu também não conseguiria.

2: Quanto à segunda questão, a da arrogância, respondo-lhe que sim e respondo-lhe que não. Fique você com as suas conclusões. Eu não sou especialista na matéria.

3: Por fim, no que respeita ao lamento, quer o jardim quer o mato têm ambos o seu encanto. São encantos diversos. Mas aqui, entenda-se, não falo da flora. Refiro-me antes à fauna. E a fauna do «mato grosso» blogosférico a que aludo é a do tipo carniceiro, capangas sedentos de catanada e sangue. Há quem aprecie o estilo – daí a intrigalhada – e há quem prefira outros géneros de sobrevivência. Olhe, eu cá, nesta matéria, vou pelo Confúcio: «Eu não aprecio aqueles em quem a insolência é tida como coragem.»

Obrigado pelo comentário.

 
At 1:05 da tarde, Anonymous Anónimo said...

pois, a cada um o seu mato - ca nas minhas machambas (que, como é óbvio e lógica não são mato, são aliás por definição desmatadas) não me aparecem mosquitos desses (um ou dois resmungões em três anos é coisa pouca). Afinal o meu é um mero jardim silvestre, a comparar com isso que descreve (apropriado nome então, o da insónia)

mas insisto, ainda que não valha a pena, para além da chatice (mas não provocará algumas gargalhadas? essa do CV avulso ...) que mal vem ao mundo (e aos bloguistas) a dita intrigalhada, e suas catanadas? Mas enfim, vejo do meu "mato" asseptico, não do jardim de feras alheio

por fim, é pena a partida do homem. mas que traduza, que traduza

cumprimentos, até ao seu próximo post sobre a blogosfera

 
At 1:11 da tarde, Anonymous hmbf said...

JPT, quando é um acto isolado provoca gargalhadas. Quando se torna recorrente – o exemplo do CV é apenas um exemplo, talvez o mais caricato -, desgasta. É isso que por vezes sinto: desgaste e saturação. Se bem se lembra, já acabei com um weblog pelas mesmíssimas razões. aqui sempre tenho uma coisa a segurar-me os impulsos mais auto-destrutivos: os colaboradores.

Cá espero por si então, quando voltar a escrever sobre a blogolândia. :)

 
At 1:29 da tarde, Anonymous Anónimo said...

esse é um pecado que V. carrega, e que talvez justifique (entenda: o faça merecer) a intrigalhada que o acomete e a correspondÊncia maçadora - a destruição do UD foi um acto de lesa-bloguismo (que lhe provoca insónias?)
então até então

 
At 1:38 da tarde, Blogger FAG said...

Fala-se de mim nas minhas costas, oh que felicidade. É que ainda tenho lá um blog activo. «Por fim, é pena a partida do homem. mas que traduza, que traduza» (jpt). Só não gosto do tom paternalo-arrogante. Além disso, ninguém me manda foder, e muito menos traduzir (só a minha mulher).

 
At 1:49 da tarde, Anonymous hmbf said...

Que fique claro, FAG, que eu não falei de si senão para lamentar a sua despedida lá n'O Vermelho e o Negro. Agora vou trabalhar. Inté.

 
At 2:08 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Filipe Guerra, foda-se! Triplo foda-se. "PAternalo-arrogante, mandar traduzir"? Mas que raio de leitura a sua, que coisa. Faça o que lhe apetecer, blogue ou não, traduza ou não. Se se ofende com isto, ofenda-se

(o technorati, quando funciona, não deixa que se fale pelas costas quando há links - coisas deste mato; nem me parece que fosse essa a intenção de quem aqui comentou)

 
At 2:29 da tarde, Blogger FAG said...

hmbf - eu sei.
jpt - De acordo consigo quando diz que isto dos blogs não é grande agente civilizacional português (?)e, digo eu, por mais geniais que sejamos (não falo por mim porque tinha muito génio em criança mas a minha avó tirou-mo com o chinelo). Quanto ao resto, entendi assim, mas se você diz que não... para que havemos de nos encrespar?

 
At 5:06 da tarde, Anonymous Mário said...

Uma das vantagens de ler os blogues no leitor rss é que se faz o bypass de tudo o que é comentário. Há um ou outro raro blogue onde por vezes deixo umas letras ordenadas na caixa, mas na maior parte o que me faz não desligar a subscrição é o conteúdo das entradas.

Mas tenho desligado muitas portuguesas nos últimos tempos (falta de pachorra para conversa mole ou pretensiosismos)

 
At 5:20 da tarde, Anonymous hmbf said...

Que é isso do rss, Mário?

 
At 7:37 da tarde, Anonymous Mário said...

RSS, significa Real Simple Syndication. Trocando por miudos, é uma forma de ler blogues sem ter de os abrir um a um.

Funciona desta maneira:

1) O blog para além das entradas que se lêm normalmente através da página do blogue, também "publica" aquilo a que se chama um "feed rss" com cada entrada de uma forma "codificada" parecida com o html, mas que é destinada a ser lida por um programa "leitor" de "feeds rss".

Exemplo de leitores muito bons:

http://www.google.com/help/reader/tour.html

http://bloglines.com

2) Quero seguir alguns blogues e não perder uma actualização, então verifico se eles têm um "feed rss" e se tiverem adiciono-o ao leitor (ao introduzir um endereço no leitor este geralmente detecta automáticamente se há um "feed" disponível).

3) Depois de adicionar vários "feeds" ao meu leitor, basta esperar que este vá buscar os "feeds" actualizados. Cada vez que o autor actualiza o blog o "feed" é actualizado e o leitor veriica a intervalos regulares cada um deles.

4) A seguir o melhor é estabelecer categorias no leitor para melhor organizar os "feeds" e ler sem perder pitada.

Como disse, desta forma não vemos o design do site de origem nem os comentários, mas poupamos tempo ao ver num único programa tudo o que nos interessa (se houver tempo).

Os leitores que indiquei são baseados na web, vêm-se no IE ou no Firefox, o que tem a vantagem de podermos consultar o leitor em qualquer pc ligado à net. Também há programas para instalar no pc, mas não são tão práticos.

Espero ter esclarecido :)

Para qualqer coisa há sempre o mail.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home