18.5.07

ACONTECEU

Aconteceu que até aos vinte e sete
anos de idade tive a alegria
de viver na solidão da casa e da família,
com um belo jardim à minha volta.

Fiquei, assim, um ser não corrompido
e, fazendo justiça à natureza,
sigo o murchar da floresta
ou o destino do jardim.

Gostei de esquecer a tristeza e a ira,
não ter ideias, não dizer palavras
e nas árvores loucas da infância
sofrer o tormento do génio alheio.

Fiquei de repente fina, como a relva,
alma pura, como as outras plantas,
não mais douta do que qualquer árvore,
não mais viva do que até ao nascimento.

Sorria de noite para o tecto,
para o vazio, onde, perto e perceptível,
empalidecia encoberto o óbvio deus
que tem todos os sorrisos e bondades.

Fui tão inevitável paraíso
e estive tão perto da grande bondade divina,
que a trança da testa – para mais levemente beijar –
afastei e dormi profundamente.

Como se por muito tempo, pelos tempos,
eu entrasse mais pela terra e pelas árvores.
Ninguém sabia como o tormento é grande
atrás da porta da minha solidão.
Tradução de Manuel de Seabra.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Bella Akhmadulina nasceu em Moscovo a 10 de Abril de 1937. Formada no Instituto Gorki de Literatura, tornou-se numa famosa poeta, tradutora e ensaísta. Começou a publicar em 1954, na revista Oktiábr’. O seu primeiro livro, porém, data de 1962: Struná (Corda). Traduzida para várias línguas, a sua poesia foi bastas vezes premiada.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home