16.7.07

PORTUGUÊS DE ESPANHA

Ele até ia bem, mas depois estragou tudo. Acontece aos melhores. Refiro-me à entrevista que o nosso Nobel da Literatura deu recentemente ao jornal Público, defendendo que Portugal deveria tornar-se uma província de Espanha. Ao ler a entrevista, uma forte emoção tomou-se-me do peito. Finalmente um português de jeito com uma ideia de jeito. Mas depois comecei a desconfiar. Saramago vive há 14 anos em Espanha, conhece bem os espanhóis. Julgará ele que os espanhóis aceitariam os portugueses já não como sus hermanos, mas como espanhóis de pleno direito? Duvido. Por isso mesmo sugere Saramago uma negociação: «Provavelmente [Espanha] teria de mudar de nome e passar a chamar-se Ibéria. Se Espanha ofende os nossos brios, era uma questão a negociar». Negócio inquinado, temo. Jamais um espanhol desejará ser outra coisa senão espanhol. É essa uma das razões porque os portugueses deveriam preferir ser espanhóis. É que um dos grandes problemas de Portugal é, precisamente, ter muitos portugueses que não querem ser portugueses. Preferem ser, por exemplo, espanhóis. Ora, não vejo razão mais substancial para desejarmos ser parte integrante de Espanha do que a de começarmos a pensar como os espanhóis. Não para nos transformarmos nuns porcos nacionalistas, mas para passarmos a agir em consonância com a devoção que a nossa pátria nos deve merece. Lendo escritores portugueses, ouvindo música portuguesa, comprando produtos portugueses, acarinhando e bem tratando a paisagem de Portugal. Mas nada disto parece imbuir as intenções de José Saramago, já que este teve mesmo o descaramento de vaticinar que a integração em Espanha não resultaria numa cedência nem acabaria com o país. Está-se mesmo a ver o resultado: «Não se deixaria de falar, de pensar e sentir em português». Alguém que me explique, então, para quê passar a ser português de Espanha e não de Portugal. Passar a ser espanhol para continuar a ser português é que, definitivamente, não!

12 Comments:

At 7:33 da tarde, Blogger LB said...

Ah Ah! :))) Li este texto agora. Devia ter lido isto antes de escrever o meu, tinha-me posto num estado de espírito menos "abespinhado". Enervou-me mesmo o cabrão do Saramago. Um escritor que era tão bom... tão bom... puff. Kaput.

 
At 10:38 da tarde, Anonymous hmbf said...

Li agora o teu. Não penso que «A Peste» seja o pior livro de Camus, dos poucos que nunca soube escrever mal. O pior livro de Camus é um que ele nunca escreveu. Olha, talvez o «Ensaio sobre a Cegueira».

 
At 1:28 da manhã, Blogger av said...

Também só li este texto agora. Mas não alteraria nada no meu, se o tivesse lido antes...

AV

 
At 8:50 da manhã, Anonymous hmbf said...

Eu também li o meu texto agora. Não me apeteceria nada alterá-lo, se o tivesse lido antes. :))

AV: A Sophia para Nobel? Isso não é muita furta?

 
At 9:18 da manhã, Anonymous roteia said...

Saramago é totalmente português. Há lá coisa mais portuguesa, mais própria da identidade dos portugueses, do que querer parecer aquilo que não se é?
Se ouvirmos galegos, catalães ou bascos, todos querem ser o que são, isto é, não querem ser nem parecer espanhóis.
E os próprios espanhóis, também não creio que estejam interessados em comprar mais um problema identitário. Problemas desses eles venderiam de bom grado, como já nos vão vendendo, cada vez mais, de tudo um pouco.

 
At 10:48 da manhã, Anonymous hmbf said...

«Há lá coisa mais portuguesa, mais própria da identidade dos portugueses, do que querer parecer aquilo que não se é?»

Não.

 
At 12:56 da tarde, Anonymous roteia said...

Pois, eu também acho que não.

O que há é portugueses demais que gostavam de ser (ou parecer) estrangeiros. Ou aqueles que acham que "lá fora" é tudo diferente, tudo melhor. E os outros que falam línguas sem sotaque (julgam eles), já para não falar daqueles que gostam de escrever títulos em francês ou inglês, em Portugal, para portugueses (é um chique!...).

 
At 2:08 da tarde, Blogger etanol said...

Yo vivo em Lisboa, soy portuguesa pero mi alma baila sevillanas, no es necessario criar una iberia, Saramago es tonto. Creo que Saramago necessita empesar a escribir en castellano porque el portugues es mucho mas dificil.
Maria João

 
At 10:12 da tarde, Blogger loucomotiva said...

Um tipo que começa a escrever para se esquivar a dar cabo do fisico, que diz querer ser espanhol, fala mal de todos os portugueses e de todo o Portugal, vive no estrangeiro, é pelo social mas não troca a sua alta qualidade de vida por uma maior igualdade,... há lá melhor exemplo de um tipico português?
A única coisa que aconteceria se Portugal e Espanha formassem um só país seria o facto de passarmos a falar bem dos Franceses, e isso seria um situação um pouco dificil de aguentar!

Jorge GP
loucomotiva.blog.com

 
At 2:43 da manhã, Blogger av said...

O Nobel, muita fruta para Sophia? Ou a Sophia, muita fruta para o Nobel?
Não percebi a sua pergunta, mas não tenho qualquer dúvida de que não temos muita fruta desta qualidade, no nosso pomar, para oferecer ao mundo.

 
At 1:16 da tarde, Blogger Ana Isabel said...

Deliciei-me com o post e com os comentários e deixo aqui um fragmento de um poema de Wenceslau de Moraes...que daria para muita conversa agradável: "Por vezes, meus filhos, o melhor da pátria/é estarmos longe dela, para melhor a podermos/amar e odiar, para melhor nos esquecermos dela/enquanto a lembramos e desejamos." ...mas, nada de confusões, Saramago não se enquadra nestas palavras.

 
At 6:50 da tarde, Blogger jose said...

Ola!
Sou portugues,nasci em Paris onde vivo actualmente,as minhas origens sao portuguesas.Vivi no Porto da qual tenho os melhores anos da minha vida.Nao vou falar de literatura,falemos de Portugal do que ele é e sobretudo pensarmos nas coisas boas que ele nos deu no passado tanto a nivel cultural,artistico,historico.
è inacreditàvel chegar ao aeroporto,e ver uma pagina de um jornal nacional com a noticia de 64% de portugueses quererem que Portugal se integre a Espanha.
Incrivel,como ha gente que nao tem sentimento nacional, nem honra, o que demonstra uma grave e grande falta de respeito para com os nossos portugueses que no passado deram a vida e verteram o sangue.64% de nacionalistas e nao patriotas,64% de traidores,como esse Saramago que muita gente admira,mas como portugues que sou, nao lhe guardo respeito,o NObel nao lhe serve de nada e a outros que sao como ele.Sou patriota sem duvida,mas quem ser espanhol como Saramago porque tanta hesitação?Façam as malas e que por là fiquem. e por favor valorizem quem ama Portugal e respeitem a data de 1640 .um abraço a todos!

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home