11.7.07

POST RÁPIDO

Não me alongarei sobre este post, até porque já disse o que tinha a dizer neste outro post e noutros mais que agora não me apetece procurar. Quero apenas manifestar o meu repúdio pelo achincalhamento de uma classe à qual, confesso, me apetece cada vez menos pertencer. É que quando se pergunta sobre a culpa do insucesso escolar é bom termos em mente que grande parte desse insucesso começa logo na ligeireza com que se encontram culpados para questões tão complexas. Basta pensarmos um pouco nisto. Queixamo-nos do estado a que chegou a escola em Portugal. De quem é a culpa? Dos professores e de mais ninguém, só pode. Mas e de quem é a culpa do estado a que chegaram os professores? E de quem é a culpa desses professores, todos tão maus, estarem nas escolas? Acabamos com os professores? Acabamos com a escola? De quem é a culpa do estado a que chegou a justiça? Dos juízes? Não tiveram professores? Darão aulas? E na saúde, de quem é a culpa? Dos médicos? Se tiver de ser operado, confiará no seu médico? E na política? Os políticos são culpados do estado a que chegou a política. Só eles, mais ninguém. Quem não tem culpa alguma é o cidadão, pobrezinho, que só está aí para dizer que tudo é mau e ele não tem culpa alguma disso. A culpa nunca é dos cidadãos que apontam o dedo, nunca é da carneirada que de quatro em quatro anos vota sempre na mesma escumalha que nunca quis saber do ensino para nada, da escola para nada, que sistematiza toda uma fábrica de canudos em torno de uma mesma ideia: o sucesso escolar é os meninos passarem de ano, indiferentemente do que aprendam. Aprender, conhecer, saber? Para quê? Há pessoas de valor neste país? Se há, não tiveram professores? Os professores que tiveram, foram maus? Nasceram geniais? Se calhar a culpa é da própria culpa, ou talvez de quem julgue ter que haver um único culpado para aquilo de que ninguém quer ter culpa alguma. Eu sou culpado por este post. Apontem-me à vontade.

2 Comments:

At 8:47 da tarde, Blogger etanol said...

Uf! Já consigo escrever comentários. A culpa de facto não serve de nada, é um ricochete. Fica tudo mais levezinho quando se manda a culpa para algum lado, raios parta da cultura judaico-cristã, com a merda da culpa, não se resolve nada e só origina iresponsabilidades. Muito bem, escreves-te um post do qual tem culpa ou és responsavel. Apontem-me o dedo pelo meu comentário à vontade!
:)
Maria João

 
At 4:50 da manhã, Blogger Roteia said...

O Henrique é culpado, sim. E eu, porque também sou professor. Os outros, os que não são professores, não têm culpa alguma. Aliás, os problemas da sociedade portuguesa devem-se todos, todos, todos, todos e apenas, ao estado do ensino, e a mais nada, nadinha de nada.
Aponto-lhe o dedo, sim, porque me tirou as palavras da boca, ou mais precisamente, do teclado.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home