7.7.05

[Pedras se contraíram sob meus pés.]

Pedras se contraíram sob meus pés.
A planta viva foi arrancada do meu corpo
e lançada em terra do não-ser.
Mas eu terei o esquecimento e a noite.
A planta viva vingará na morte.


Fotografia respigada aqui.

Maria Ângela Alvim nasceu no dia 1 de Janeiro de 1926 na fazenda do Pouso Alegre, município de Volta Grande, no Estado de Minas Gerais. É a mais velha de cinco irmãos, todos poetas. Leitora assídua de Simone Weil e de Santa Teresa de Ávila, pensa durante algum tempo seguir a vida religiosa. No início dos anos cinquenta, faz diversas viagens profissionais pelo interior do país, e depois à Argentina e à Europa. É durante uma dessas estadas que, sob o signo de Rilke, se liga a Lou-Albert Lasard. Maria Ângela Alvim falava admiravelmente dos poetas, com um fervor que só a sua penetrante lucidez podia igualar. Em breve, uma doença nervosa iria fazer desvanecer todos esses dons. No dia 19 de Outubro de 1959, Maria Ângela Alvim pôs fim aos seus dias. À excepção do livro Superfície (1950), os poemas de Alvim só serão publicados depois da sua morte.

In Superfície - Toda Poesia, apresentação de Max de Carvalho, Assírio & Alvim, Outubro de 2002.

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home