20.7.06

O POETA MALDITO

Mata-te a ti
mesmo
depois
enterra o teu remorso
beija a água



Rui Costa

4 Comments:

At 11:18 da manhã, Blogger Barão Von Sacher-Masoch said...

Assim compreendo este texto:

Aceita-te como um todo,
faz o luto das tuas amarguras
e renasce para a vida

Os malditos sempre foram muito sensíveis... Bonito!

 
At 11:24 da manhã, Blogger margarete said...

"hei-de engarrafar-me
e beber de penalti"

Henrique M. B. Fialho in Antologia do Esquecimento

 
At 5:14 da tarde, Anonymous Anónimo said...

"Nesta curva tão terna e lancinante
que vai ser que já é o teu desaparecimento
digo-te adeus
e como um adolescente
tropeço de ternura
por ti."
:)
Pb

 
At 6:26 da tarde, Anonymous Anónimo said...

barão: é isso mesmo.
margarete: nesse caso o primeiro verso “à henrique” seria: “mama-te a ti mesmo”.
Rui Costa

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home