17.7.07

JORNALISTAS

Tenho uma turma que anda a realizar trabalhos sobre grandes portugueses do século XX. Um dos alunos perguntou-me sobre um jornalista português que tivesse sido realmente grande, influente, importante, sobretudo durante os tempos do Estado Novo. Gaguejei. Passado o incomodo, lá fui procurar no Google a ver se a parca memória se me reavivava. Parei no ainda activo sítio do programa Os Grandes Portugueses. Em todas as biografias ali disponíveis, jornalistas vi apenas dois: Fernando Pessa e Maria Lamas. Afinal, quem foram os grandes jornalistas deste país? Agentes de palavras efémeras, entre gentes de efémera memória, os jornalistas passam pela vida como quem faz sem estar à espera de ser lembrado por isso. Missão nobre, porém inglória. Não admira que tantos deles andem para aí a escrever livros.

5 Comments:

At 9:19 da tarde, Blogger rui said...

Bem... eu assim de repente ocorre-me o nome de Raul Rêgo, q até foi alcunhado de pena de ouro. Mas também me ocorrem os nomes de Baptista-Bastos ou Fernando Dacosta, ainda no activo.

 
At 9:26 da tarde, Blogger hmbf said...

Por acaso não me ocorreu o primeiro, mas pensei logo no BB. E também me lembrei o Cáceres Monteiro. Já em casa, pensei no Dacosta e noutros. A questão é que os jornalistas rapidamente caem no esquecimento. Demonstrativo disso é o facto de apenas dois constarem nas biografias do refrido programa. Jornalistas marcantes durante o Estado Novo? Dificilmente a algum a memória fará justiça. Digo isto com pesar, pois alguns (quais?) bem o mereciam.

 
At 11:08 da tarde, Blogger RAA said...

O jornalismo é óptimo para fazer a mão, mas há que largá-lo a tempo, senão seca. Os maiores, desde o Eça n'O Distrito de Évora ao Ferreira de Castro n'O Século, puseram-se ao fresco na devida altura. Mas eu avançava com três nomes, entre outros possíveis: o Mário Neves, do Diário de Lisboa, que cobriu o massacre dos republicanos em Badajoz pelos nacionalistas, logo em 1936, se não erro, e que editou a reportagem em livro, já depois do 25A; o Artur Portela (Filho) de A Funda; o Fernando Assis Pacheco das grandes entrevistas e do Bookcionário.

 
At 11:12 da tarde, Anonymous hmbf said...

Ah! RAA, boa, boa... O Assis Pacheco! Como é possível ter esquecido o grande Assis Pacheco? Penso sempre nele como poeta. Mas claro, o Assis Pacheco. Tenho um livro de entrevistas do Assis Pacheco publicado pela Asa. Claro. E o Mário Neves também é histórico. Boa. Obrigado. É sempre bom haver quem nos torne viva a memória.

 
At 11:43 da tarde, Blogger RAA said...

:)

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home