6.7.08

MICROBIOLOGIA #27

o homem que eu matei
ou o elogio das salas-de-chuto

Nesses dias o bem e o mal existiam como mera contemplação, e deus nunca foi para ali chamado. Havia o ritual, essa maneira de morrer que nos era ensinada, e o tempo ia à frente, montado na bolha de fogo que escorria pela prata. Havia um sentimento de pertença e o remorso (se o havia) era um de nós. Mas um dia acordei com a certeza de num só homem ter matado duas vezes. Numa casa-de-banho pública num jardim em Peniche. Revejo o homem dobrado sobre a ressaca e um miudo de dezassete anos que lhe quer comprar doces. Agora de novo a casa de banho e dezenas de seringas espalhadas por todo o lado. O homem que ainda tem que ir para o mar, mas que quer dormir um pouco, e as dores já vêm vindo e as veias nem por isso. E a proposta: dás-me o caldo, faço-te uma cena fixe. Um quadro quase campestre: o limão colhido ali ao lado e a colher a arder no centro da casa-de-banho pública. E então a pergunta: dás-me a seringa? E um homem como que quase não, atirando os olhos para dentro do corpo e rodando, rodando até: trás-me aquela!, a que está ao lado da que está ao lado da morte. Assim matei o homem que trouxe o bem e o mal para o meio dos meus dias, que obrigou a que deus fosse pela primeira vez para ali chamado.

(Jorge Melícias, in Ideias Fixas num 03)

#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26

3 Comments:

At 1:42 da tarde, Blogger etanol said...

Isto é do Melicias?
:)
Maria João

 
At 3:55 da tarde, Blogger L. said...

quantos e quantos da minha aldeia foram colhidos do chão com limões no bolso. em miúdos roubávamos laranjas, depois alguns passaram a preferir limões.

 
At 11:14 da manhã, Blogger hmbf said...

Etanol, é.


L, também sempre preferi os limões.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home