17.10.08

APRENDER A CONTAR #26

Parabéns pelos 84.

A FÁBULA DO VENTO

O que eu te quero contar não foi dito nem está escrito na pele de nenhuma página. Ou foi dito e escrito milhares de vezes e milhares de vezes apagado pela própria palavra. Sem visão, no vão do esquecimento, tento iuniciar uma fábula do vento até à ondulação, até à transparência. Tenho na boca o sabor de um canto que é já o canto de um sabor aéreo. O meu desejo procura construir cálices incendiados, sílabas amorosas, hieroglifos de água e fogo. Não estou no centro mas na orla da distância, na frescura da soberana inteligência do mar. Reconheço agora todas as qualidades do silêncio, da brancura e da luz e da sua móvel mas permanente equivalência. A interrogação mais pura levanta-se e resolve-se em mil ondas incessantes, nas volutas vertiginosas do vento.

António Ramos Rosa (1924), Clareiras, Ulmeiro, p. 55, Dezembro de 1986.
#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25

2 Comments:

At 2:38 da manhã, Blogger Ana Cristina Leonardo said...

que fotografia impressionante!

 
At 8:27 da tarde, Anonymous gisela ramos rosa said...

Linda composição poética!
Pena que a imagem não seja mais nítida de modo a revelar a beleza actual do poeta! Parabéns!
Gisela Ramos Rosa

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home