1.2.07

IVG #41

O chorrilho de alarvidades a propósito da IGV continua. Há pouco ouvi a assertiva Maria José Nogueira Pinto afirmar que se o “Sim” vencer a entidade patronal pode obrigar as mulheres a abortar para assim evitar a licença de maternidade. (...) Anteontem foi José Pedro Aguiar-Branco, ontem Maria José Nogueira Pinto, quem se seguirá neste desfile da falácia encoberta de dislate?
#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40

2 Comments:

At 7:54 da tarde, Blogger Vida Involuntária said...

E há pouco ouvi na TSF a notícia de vários pais, em Setúbal, indignados, porque as crianças trouxeram nas mochilas, de dois ou três infantários da cidade, uma "carta de um feto abortado" : "Mãe por que me retalhaste e atiraste ao balde"?

MAS QUEM METE ESTAS SINISTRAS AVANTESMAS NA ORDEM ?

E depois digam-me lá, se o Referendo era indicado, depois de 8 anos de uma farsa não vinculativa, onde também se fartaram de "assassinar" Zézinhos.

Vi.

 
At 4:55 da tarde, Blogger Elisa said...

Alarvidades, sem dúvida. A campanha do Não está cheia dessas alarvidades que os alarves que as defendem querem transformar em força de lei.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home