7.2.07

IVG #45

A RTP-N está neste momento a transmitir um frente-a-frente sobre o aborto. Laurinda Alves monopoliza a peixeirada. Lídia Jorge tenta fazer passar o seu raciocínio. Debalde. Laurinda simplesmente não deixa. Mudei de canal. Como bem lembrou Lídia Jorge, os actuais defensores do NÃO tiveram todo o tempo do mundo para aprovar no parlamento as suas ideias. Com efeito, depois do referendo de 98, a Direita teve maioria parlamentar durante praticamente três anos: entre Abril de 2002 e Março de 2005. A coisa legislativa que eles agora propugnam (considerar crime mas isentar de pena), por que é que não a defenderam nos últimos nove anos, se até houve um período razoável, de 2002 a 2005, em que podiam tê-lo feito sozinhos? Laurinda Alves, e todas as Laurindas eugénicas, podem dizer o que lhes vem à cabeça. A democracia é isso. Mas o líder do PSD, um homem que tem a ambição legítima de vir a ser primeiro-ministro, não pode. E também o ouvi hoje a espantar-se com afirmações de Sócrates de que (e muito bem) a lei não será alterada se o NÃO vencer. Mas podia ser de outro modo? Então para que é que se faz o referendo? Justamente para saber se a letra da lei pode, ou não, mudar. O argumento de sacristia de que não há mulheres presas, não cola. O facto de não estarem presas não significa que muitas não tenham sido condenadas depois de publicamente enxovalhadas. Ou conta só o encarceramento?
#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40 / #41 / #42 / #43 / #44

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home