11.11.08

APRENDER A CONTAR #43

O SILÊNCIO

O silêncio é um termo polissémico, uma palavra com várias camadas, como a casca da cebola. Uma palavra que se descasca com encantamento. Ausência de barulho, jejum da palavra, renúncia, revela-se o canto secreto da linguagem acabada, música de mil harmonias segundo o imaginário, os afectos, a intuição. O silêncio penetra para além do conceito, do intelecto, leva-nos ao coração das coisas, faz-nos tocar, sem esforço, o coração de Deus. Buda é às vezes chamado o "mestre do silêncio". Para os budistas, no ramo zen em particular, o silêncio é considerado como um meio privilegiado de chegar à verdade, a nascente escondida.

*

Japão. Primeira metade do século XIV, shogunato dos Ashikagaka. Um templo perdido na montanha. Quatro monges zen decidiram fazer um sesshin (espécie de retiro) em silêncio absoluto. Instalaram-se em zazen. Veio a noite. O frio cortante.
“A vela apagou-se!, diz o mais jovem dos monges.
― Não deves falar! É um sesshin de silêncio total, ― observa severamente um monge mais velho.
― Porque falam, em vez de se calarem, como tinha sido combinado! ― faz notar
com humor um terceiro monge.
― Sou o único que não falou!, diz com satisfação o quarto monge.

Este episódio faz sorrir. Mas ilustra com exactidão a justeza do espírito do Zen. Troça-se dos monges, trata-se com humor o silêncio, do qual no entanto se sabe que é um elemento essencial do caminho. É que o silêncio não é senão silêncio, ou seja, um meio. “Se encontrares o Buda, mata o Buda”, diz uma máxima célebre.

*

Nada deve ser obstáculo à experiência pessoal.

Os Melhores Contos Zen, trad. Miranda das Neves, Teorema, pp. 79-81, Maio de 2002.

#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40 / #41 / #42

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home