15.11.08

APRENDER A CONTAR #44

UM OBSERVADOR DE ACASOS

Um seixo no chão. Outro. Um grupo, uma colónia deles... Parecem ter deixado entrar uma casca de árvore na sua companhia. Mas será que deixaram? Ou foi a casca que se fez convidada?
Talvez possamos ter o privilégio de assistir a mais um exemplo de acaso...

Uma cabeça de formiga separada do corpo. Será um troféu, ou é apenas mais uma possibilidade que encontramos em colecções cujo único critério é não estarem os objectos que as constituem ainda mais separados?

É uma questão de espaçamento. Quão distantes podem as coisas estar umas das outras e, ainda assim, considerarem-se um grupo.
Uma questão de tempo. A coincidência que permite que os seixos e a tal casca se sobreponham a uma cabeça de formiga.
Já para não falar daquele que, ao observar esta cena, também passa a pertencer ao grupo.
É um intruso? Ou é simplesmente aceite numa democracia inconsciente de acasos?
Talvez seja mais simples dizer que a maior parte das vezes passa despercebido como qualquer outro acaso.

Ainda assim, se tivesse um desses seixos para poder observar o acaso mais de perto, deslocá-lo-ia do seu contexto e transformá-lo-ia num monumento do acaso...

Conclusão: O acaso é meramente teórico. Pois se dele nos apercebermos, imediatamente se desloca para o centro da nossa atenção, fazendo com que tudo o mais participe do acaso, incluindo o observador de acasos...

Russell Edson (1935), O Espelho Atormentado, trad. Guilherme Mendonça, OVNI, pp. 143-145, Janeiro de 2008.

#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40 / #41 / #42 / #43

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home