27.11.08

APRENDER A CONTAR #50

APÓS A MORTE

Sem o mínimo terror, o suicidado, depois de se ter agarrado por um instante às colgaduras da varanda (esperava-se a vinda de um rei) estatelou-se no meio da rua. Aqui principia a estranha história; o morto põe-se de pé, vai bater à porta do seu melhor amigo: a campainha não faz o mínimo barulho, e contudo ele introduz-se em casa. Fala. Alguém o terá ouvido? Ninguém responde. Vai a casa de uma senhora. Um outro assunto. A senhora, que estava a ler um poema do suicidado, entra em discussão com o poema, mas não com o suicidado. «Terei eu morrido a sério? ― pergunta ele a si próprio. ― Ainda é tempo de me arrepender dos meus erros. Dirigiu-se o suicidado para a igreja: «Pois com certeza! Cá está o meu enterro: reconheço-o pela presença do meu porteiro e da minha criada. Os meus amigos evidentemente que estão a festejar.»

Max Jacob (1876-1944), in A História do Diabo Enamorado de Cazotte, seguida de O Recibo do Diabo de Musset e O Diabo Engarrafado de Stevenson, org. Manuel João Gomes, trad. Luiza Neto Jorge, Arcádia, Outubro de 1977.

#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40 / #41 / #42 / #43 / #44 / #45 / #46 / #47 / #48 / #49

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home