28.2.07

Do moleskine enquanto moscardo

Comprei o meu primeiro moleskine. A minha actualidade resume-se a pouco mais que isto. Até agora só tinha cadernos de apontamentos para pobres, cadernos de apontamentos pobres. Mas hoje comprei o meu primeiro moleskine, o que fará de mim um pouco de Hemingway, Picasso, Chatwin. O meu moleskine tem história, ao contrário de outros cadernos que tive até hoje. Nos outros escrevi estórias, neste terei história à mão de semear. A primeira coisa que fiz quando abri o meu primeiro moleskine foi escrever o meu endereço. Em caso de perda, o meu moleskine deverá ser devolvido ao meu endereço. As a reward: $ gratidão. Qual será o preço da gratidão? O meu primeiro texto no meu primeiro moleskine não é sobre a gratidão, mas devia ser. Ou então sobre "rewardes" com cifrões. O mundo é cada vez mais uma recompensa com cifrões, mas eu não vou nessa: eu apenas ofereço gratidão a quem me devolver o que, a partir de hoje, é meu por direito. Vou partilhar aqui no Insónia o primeiro texto que escrevi no meu moleskine, é um texto que diz haverem pelo menos duas coisas que distinguem a escrita em computador da escrita em papel. Primeiro, a constatação de que o computador protege-nos da rasura. No papel a rasura faz a sua história, o seu percurso, fica incrustada na página como bolor na parede. Essa história termina quando nos é dada a possibilidade de caiar as paredes da escrita, a possibilidade de apagar, de limpar a rasura sem deixar qualquer vestígio da sua existência. Ora, a rasura é a prova de uma hesitação que parece não existir na escrita em computador. Uma hesitação aparentemente superada pelo poder de apagar. Isto leva-nos a uma outra distinção, relacionada com a primeira por consequência. É que a iminência do erro, na escrita em papel, pode levar a uma relação de medo, desconfiança e intimidação com a rasura. Escrever no computador confere-nos um poder que nos liberta desse medo, ao mesmo tempo que nos usurpa de uma certa respiração do pensamento. Digo isto a pensar na minha experiência pessoal, partindo da experiência da escrita em papel como uma escrita mais pausada, mais ponderada, enquanto a outra parece sempre encurtar a fronteira que separa o pensamento dos dedos. O computador veio globalizar o pensamento no mundo do corpo escrevente, os dedos estão já contaminados pelo pensamento quando premimos as teclas. Escrever em papel, pelo menos para mim, como que obriga a pensar, enquanto escrever directamente no computador apenas me obriga a descontrair. É provável que a frouxidão generalizada da literatura mais actual tenha aí uma das suas causas, o que me leva a pensar no meu novo moleskine como no Sócrates da Apologia quando este afirmava que o defeito dos poetas era dizerem muitas coisas lindas, mas não se aperceberem do que diziam por estarem contaminados pelos instintos e pela inspiração divina. É isto que o meu primeiro moleskine me diz. Talvez ele venha a ser o meu moscardo, o moscardo que jamais me deixará adormecer, o moscardo que, a partir de hoje, encontrarei em todo o sítio, pousado perto de mim.

As mentirinhas úteis

As mentirinhas úteis são como os rebuçados, acabam num instante. Adenda: quem come muitos rebuçados fica com dores de estômago.

Estar em falta

Na verdade, a mulher não pede desculpa por estar doente. Ela limita-se a evidenciar a doença como justificação daqueles gestos involuntários e incomodativos. Isso remete-me para os alunos que justificam as faltas por motivos de doença, quase sempre dizendo que faltaram por motivos de saúde. Vê-se que ainda não aprenderam grande coisa, pois ninguém falta por ter saúde. Podemos mesmo dizer que estão em falta consigo próprios ao afirmarem uma coisa dessas. Que nunca saibam o que é faltar por motivos de doença.

O incómodo

Uma mulher peida-se e arrota intermitentemente, pedindo desculpa por estar doente. Por que pede alguém desculpa por estar doente?

Da comoção

Nada me comove mais do que a fraqueza. Não a fraqueza dos homens fracos, sobretudo dos moralmente fracos, mas a fraqueza franca de quem não consegue consumar a vontade. Por exemplo, quando alguém tenta impedir a tosse, quando alguém contrai os músculos, quando alguém sustém a respiração, quando alguém procura evitar o espirro, sabendo que, por mais que se esforce, nada impedirá a tosse. Só pode ser muito forte quem assim se esforça contra a fraqueza.

Enfermeiros

Os enfermeiros lembram-me sempre Lillian Gish em Broken Blossoms. Uma profissão que obrigue a ser simpático a todo o momento deve ser muito desgastante. Para onde irá aquela simpatia toda ao final do dia?

BAILARINAS (3)


Nureyev, aqui:

Nenhuma mulher en-
gravida como eu_
...



Rui Costa

26.2.07

Um filho doente


Francis Bacon, o pintor, foi quem melhor representou a doença. A doença é uma deformação, é um desequilíbrio. Todas as formas que deformam são uma representação da doença. Quando passeamos pelos corredores de um hospital constatamos que, nesse trépido jardim de mármores desinfectados, o nosso corpo é o que mais se aproxima de uma verdade que iludimos tanto quanto possível: somos uma doença a caminhar para a cura. Nada há pior que um filho doente, ele remata-nos o sentimento de pertença, apunhala-nos qualquer invocação de imortalidade. Olho os quadros de Bacon como quem visita um filho doente numa cama de um hospital, um corpo a caminhar para a cura, a fé numa ilusão que nos atrase a cura. É preciso acreditar no poder dos comprimidos, nos traços geométricos que enquadram a desfiguração. É preciso acreditar nos números como a balança que restituirá ao corpo a reverberação de uma pureza que se esvai na respiração dos dias. Bacon é como um ensaio de 200 palavras, um fragmento a inaugurar a violência das ideias, um pensamento inconclusivo. Secção de baconcologia: a pele mortiça dos gritos, o branco profundo da degenerescência, uma espécie de fraqueza que se resume na obscura colheita dos nervos a que damos, poeticamente, o nome de dor. Sinto os quadros de Francis Bacon como se fossem um filho doente, alguém a querer respirar por cima da respiração, como naqueles sonhos em que queremos gritar e o som agarra-se-nos às cordas vocais e não sai, nós sopramos e ele resiste lá dentro, agarrado, incrustado, um som terrífico porque ausente, silencioso. Sempre que resulta num grito calado, o silêncio é terrível – porque é uma deformação na cama da geometria, é uma doença.

Deus, num ápice


Levanta-se Deus não bebe o leite das galáxias
mas café forte da negra noite circundante
e sumo solar em planetas e laranjas
com ovos estrelados céu translúcido de glória.

No prato cósmico espeta o garfo de Neptuno
e de Vulcano esquenta logo o banho rápido
nebuloso espírito paira prévio sobre as águas
depois do vinho e pão, outros deuses mesmo lume.

Leva a bandeja para a cozinha fica diante
da mesa de ardósia a barca o diário
que regista, ouvindo as notícias da rádio:

“No princípio era o Verbo”, transcreve para o livro do dia antes
de tirar o sobretudo da cruzeta, sair à pressa,
cria Deus o universo num verso.

(2003)

Alexandre Vargas

Alexandre Vargas, nascido em 1952, é poeta e tradutor. Publicou, entre outros, os livros Cyborg (1979) e Vento de Pedra (1981). Participou em antologias, cadernos e publicações colectivas como Múltiplos de Três (1997) – com Miguel Torres-Chaves e Rui Caeiro – e PoesiaDigital - 7 Poetas dos Anos Oitenta – com Amadeu Baptista, António Cândido Franco, Fernando Guerreiro, Helga Moreira, José Emílio-Nelson e Luís Adriano Carlos. Traduziu os músicos-poetas Peter Hammil e Patti Smith.

Os Óscares

Puseram-me a dormir que nem um anjinho.

25.2.07

Do Corpo Subtil

É claro que para nós tudo o que existe só existe porque temos um corpo físico. Não podemos daí inferir, porém, que se não tivéssemos um corpo físico nada existiria. Apenas que não existiria para nós. Quererá isto dizer que tudo o que existe em nós existe enquanto resultado desse corpo físico? Não. Isto quer apenas dizer que temos um corpo físico e que pelo nosso corpo físico passam até as coisas que transcendem esse corpo físico, como, por exemplo, o tempo (não me refiro à consciência desse tempo). A metafísica não se opõe, deste modo, ao corpo físico. Ela apenas perscruta e teoriza o que, passando por esse corpo físico, não depende dele. O tempo, por exemplo, é independente do corpo físico, não nos sendo possível afirmar o contrário. Sem corpo físico o tempo prosseguirá o seu caminho, a sua ficção. Nós é que não estaremos cá para dar conta disso.

Diálogo de um filósofo cristão e de um filósofo chinês

Roubo o título a Nicolas Malebranche para lembrar que entre o dia e a noite há sempre um sol que se põe. O filósofo cristão dirá que esse sol é o Ser infinito em sentido absoluto, enquanto para o chinês aquele Ser infinito em sentido absoluto de que fala o cristão não passa de uma mera ficção. O mais engraçado é que enquanto os dois discutem mais um sol se põe entre o dia e a noite.

Para o Rui Costa

Nem Deus existe nem um homem é só testículos. Acerca disto apenas sabemos que há quem reze e há quem foda. Há também quem faça as duas coisas ao mesmo tempo e quem se esteja nas tintas para isso.

Ser gen(t)e

A gente sente sempre que sente. Só quando a gente sentir que não sente é que aprenderá o que é ser gente.

O amor não tem tomates

Só não acredita no amor quem nunca amou. Eu amo as minhas filhas. Ai de quem me disser que o amor não existe! Vai logo direitinho a Roma.

24.2.07

O anonimato

É a preservação da identidade dos pobres.

23.2.07

Para o manuel a. domingos, que não gosta de meias palavras

Quero que os partidos e as partidarites se fodam. Quando leio um autor, não lhe leio a filiação; quando ouço um músico, ouço-lhe apenas a música; quando olho um quadro, pouco me importa se por trás dele há um autor, uma corrente, um movimento, um partido. Dos grupos, só quero mesmo o que há de arte nos manifestos e nas fotografias. Nunca li uma História da Arte, uma História da Filosofia, uma História da História. Não me julgo pior nem melhor por isso. Sou o que sou e como sou. Sou aquele que gosta de apanhar os frutos que vai encontrando pelo caminho, certo de que, independentemente do caminho, o fim será igual para todos.

Um grande português



Utopia
Cidade
Sem muros nem ameias
Gente igual por dentro
gente igual por fora
Onde a folha da palma
afaga a cantaria
Cidade do homem
Não do lobo mas irmão
Capital da alegria
Braço que dormes
nos braços do rio
Toma o fruto da terra
E teu a ti o deves
lança o teu
desafio
Homem que olhas nos olhos
que não negas
o sorriso a palavra forte e justa
Homem para quem
o nada disto custa
Será que existe
lá para os lados do oriente
Este rio este rumo esta gaivota
Que outro fumo deverei seguir
na minha rota?

Outras referências a José Afonso no Insónia: Era Um Redondo Vocábulo; E depois há Zeca.; As canções # 27.

22.2.07

Ir ao encontro do desconhecido

Enquanto buscava imagens sobre Lima, a capital do Peru, descobri a Adriana Lima. »

Diários de Che Guevara

A civilização que construiu isto…


…foi dizimada para se criar isto:




Há filmes dos quais gosto apenas por meros pormenores. Nos Diários de Che Guevara, por exemplo, interessa-me muito mais a ideia da viagem enquanto construção da personalidade do que qualquer outra coisa. Não quero saber se o filme é panfletárfio, o que me interessa ali verdadeiramente é a forma como Ernesto Guevara de la Serna se transforma em Che Guevara. Isso só foi possível através de uma aventura que consistiu em ir ao encontro do diferente, do outro, do desconhecido. Ir ao encontro do desconhecido pode transformar-nos de muitas maneiras, mas é sempre a melhor forma de crescermos por dentro.

O I faz a diferença:

F(i)alho.

A CASA VAZIA

Ó casa vazia,
o medo vive nela,

onde as portas chiam
como feras da estepe,

onde a mesa espreita
de angústia no chão,

onde se escondem nos cantos
sombras de pavor…

Ó casa vazia,
casa com duplo-fundo,

quartos vazios
para recordar o passado –

risos, amores, palavras,
candeias, encontros no mundo…

Que paredes brancas!
Onde há nelas sombras

nossas do passado?
Onde se oculta o riso

ou os gritos de dor?
Debaixo do soalho?

Ó casa vazia,
nem um’ alma bela,

vazio pela casa,
e nada, senão

palavras vazias, raivosas,
olhares mortos,
e nós – dois estranhos.


Tradução de Manuel de Seabra.

Semyon Isaakovich Kirsanov

Semyon Kirsanov nasceu em 1906, no dia 5 de Setembro, em Odessa. Estudante de Filosofia, foi descoberto por Mayakovsky depois de se ter mudado para Moscovo. Começou a publicar em 1922, colaborando na revista Lef. Em 1926 edita Pritsél’. Foi correspondente de imprensa durante a Segunda Grande Guerra, tendo-lhe cabido a cobertura dos julgamentos de Nuremberga. Foi um poeta activista e propagandista, contribuindo para a causa comunista com slogans, panfletos, artigos e poemas. Depois da Guerra assumiu uma vertente mais intimista. Morreu em 1972.

A PROPÓSITO DE “A POSSIBILIDADE DE UMA ILHA”, DE MICHEL HOUELLEBECQ



Toda a metafísica é do corpo e Michel Houellebecq sabe isto muuuito bem. “Nós somos corpos, somos antes de tudo, principalmente e quase unicamente corpos, e o estado dos nossos corpos constitui a verdadeira explicação da maior parte das nossas concepções intelectuais e morais” (p 179). Somos corpo e a metafísica pertence-lhe, estou de acordo. Não está de acordo quem repete o erro de Descartes: achar que há um ponto a partir do qual as coisas não são explicáveis pelo corpo, sendo, por isso, do domínio do espírito. Quem pratica muito o erro de Descartes (dominante num país português) não percebe António Damásio quando tenta explicar que (um) sentimento não é menos nobre ou verdadeiro pelo facto de ser o resultado de uma reacção química a ocorrer algures no nosso cérebro (cf. “O Erro de Descartes”). Temos a definição de animal/ais: “tubos digestivos sobre patas, terminados por dentes, cuja vida se resumia a procurar outros tubos digestivos a fim de os devorar e reconstituir as reservas energéticas” (p 377). Alguma coisa a acrescentar?

Ainda que seja bonito, o amor é no nosso universo necessidade, coisa obrigatória. Sendo o palco das realizações do espírito (a História para Hegel) motorizada no cavalo desse tal amor. Por outras palavras: “a sua natureza levava-a a amar, como uma vaca a pastar” (p 262). Quer dizer, o amor é bonito, lindo e maravilhoso. Além disso, também é violento e terrífico. Seja como for, esquecer a “sua importância na economia genética da espécie” (p 383) é idiota.

Como exemplo da acção da infra-estrutura (corpo) na superestrutura (pensamento) temos o seguinte: “começamos por nos sentir pouco à vontade na vida, e acabamos por aspirar à implantação de uma república islâmica” (p 285).

Não há mais psicologia sem biologia. As inclinações morais, filosóficas ou estéticas são a parte visível de uma glândula. A hormona, enquanto é invisível, chama-se espírito, ou Deus. Quando se torna conhecida, perde a qualidade espiritual ou divina e passa a chamar-se hormona X, Y, Z. Um chefe machista pretende castrar os súbditos. Tudo porque, outro exemplo, “na maior parte dos símios, a produção de testosterona dos machos dominados diminui e acaba por se esgotar” (p 229). Quantas pessoas conhece que se tomaram de amores por alguém com lepra (ou equivalente pós-moderno)? Nenhuma, suspeito. É que a beleza serve propósitos de combinação genética, ou seja, é um truque da natureza para nos fazer tentar aproximar do macho ou fêmea convenientes. Conveniência genética.

Continuamos a ter o problema do sofrimento. A extinção do sofrimento passa pela extinção do ser humano. O ser neo-humano poderá não ser obrigado a sofrer. A passagem para um mundo sem sofrimento não é possível sem uma mutação genética, uma mudança de hardware. A biologia pode conquistar a felicidade, não as nossas boas intenções sabiamente aplicadas. A meditação zen procura evitar o sofrimento através da redução da biologia, melhor dito, diminuição do metabolismo, logo, do peso das condicionantes biológico-genéticas. A felicidade pode ser conquistada, mas não pode deixar de ser cinzenta – aos nossos olhos humanos. Podia continuar.

Pormenores de enredo, quantos anos tinha, cor de cabelo e quantas vezes casou, ficam para os críticos.


Rui Costa

ARteoRIA #9 – Citação via Mito

“Paiting is the art of protecting surfaces from the weather and exposing them to the critics.”*

Ambrose Bierce

* in John D. Barrow, “The Artful Universe Expanded”, Oxford University Press, New York, 2005 (p-8)

Maria João

21.2.07

Nota

weblogs novos na coluna da direita. Há também os velhos, quase sempre melhores que os novos.

Analíticos Posteriores I

Que «a causa de amarmos é-nos mais querida do que o amado». Assim tipo: a causa de comermos é-nos mais querida do que a comida. Daí que tanta gente passe fome.

Analíticos Posteriores II

Que uma parede não respira porque não é um animal. Mas quem disse a Aristóteles que as paredes não respiram? As paredes do meu quarto não só respiram como também transpiram. Os desumidificadores que o digam.

Analíticos Posteriores III

«Quando conhecemos o que, procuramos saber o porquê», dizia o estagirita. No entanto, nós sabemos que nunca conhecemos o que. Procurar saber o porquê é sempre uma precipitação, uma fuga para a frente, um passo para o absinto.

Analíticos Posteriores IV

É uma das minhas citações preferidas: «Nos animais com cornos, salientamos como propriedades comuns a posse de um terceiro estômago, e de uma única fila de dentes». Não admira que os cornudos precisem de mais estômagos que os outros, mas para quê uma única fila de dentes?

Dos preconceitos

Fala por ti. Mas eu não devo contar, sou insone, não sonho.

O engate nos weblogs

Pá, o meu tesão é bué da intelectual: gosta mesmo é de comer palavras.

Verdade verdadinha.


Anda para aqui um tipo a masturbar-se a torto e a direito, perdido em fantasias irrealizáveis, para depois ter a solução de todos os seus problemas estampada num post. Ora toca lá a disparar sem restrições, que isto de impor limites ao pirilau não dá com nada. O meu problema é o existencialismo. É que, mais tiro menos tiro, o que me esburaca todo é pensar que nem a disparar darei algum sentido a isto que é viver. Não é o amor que é fodido, é a vida. E contra isso não há sexo a fazer. P.S.: quanto aos celibatários arrependidos, deixem lá: mais vale muitas por dar do que uma mal dada. Fala a voz da experiência. P.S.2: um amigo aqui ao lado diz-me que estou errado, que de todas as mal dadas que deu só se arrependeu de uma: a que ficou por dar. Enfim, ele há vidas…

AS OSTRAS À MOSTRA

O livro publicado em 2001 (Edições Tema), que certo senhor obrigou a margarete a oferecer-me, mostra uma senhora então com 23 anos a escrever sobre o ritual de acasalamento das ostras, poemas com óleo (“é horrível, negro, pastoso, altamente desprovido de estética […] mas quando cai no chão fica tão bonito!”), bancos de autocarro (“…como são infelizes os bancos de autocarro! Decerto clamam pela liberdade, por um estado menos plano, de preferência com espinhos para ser livrarem das confrangedoras peidas.”) e outros temas destilados por alguém que tem com a experiência (sensível, estética, filosófica) uma relação invulgarmente despoliciada. O assunto surge como figura e não como personagem, quer dizer, sem respeitar enredo previamente arquitectado e sem servir propósito ou espécie de moral, ainda que apenas a do principio-meio-fim. O sujeito existe alterado (“Estou a enjoar, enjoo muito facilmente e enjoo-me mais facilmente ainda.”), há consciência dupla e a ironia disso (“sou egocêntrica, só falo de mim e das minhas coisas. Estou a brincar com o meu “soutien”, é verdade, preciso muito de apoio”), e humor misturado com as coisas, por exemplo chuva (“tenho-te confundido muito com a chuva.”) ou distância (“tenho tido muito frio/tenho tido os olhos cinzentos/tenho sentido a tua distância como quem acorda/a meio da noite.”)
A Edições Tema faz edições não-venais e é da responsabilidade de Alberto Augusto Miranda. O Alberto Augusto Miranda pode ser conhecido através do blog Incomunidade e das actividades que promove e aí são anunciadas (tem também uma entrada no Insónia).

Autora: Marta Loureiro
Título: Ritual de Acasalamento das Ostras
Editora: Edições Tema
Preço: grátis

Rui Costa

19.2.07

BAILARINAS (2)



felicidade: dançar, o açafrão no
pito foste tu que me deste. Tu: és
mais do género latino, meu anjo,
graças a deus. eu: sei que não sou
a Beatriz da Conceição mas a tusa:
é a verdade na comunicação dos
- seres - como nós: tumores ressa-
biados gonzando bem o caminho
entre as camas. Não te aflijas amor:
o teu caralho é à prova de morte.

Rui Costa

18.2.07

O estado do Insónia

Neste queijo há um número que me intriga: os 7% de visitantes que vêm de países desconhecidos. Quanto ao resto, nada me espanta. Há cada vez mais gente por esse mundo fora que não dorme. Muitos chegam aqui à procura de: livros de areia, poemas sobre corações partidos, poemas fúnebres, passos para desenhar caras, falar dos amigos, cantilenas, Pedro Mexia, tesão, por que se colam os cães às cadelas durante o acto sexual, escrita fragmentária, papelotes de Lisboa, Nietzsche, a origem da tragédia, apontamentos, cadáveres esquisitos, poesia pornográfica de Gregório de Matos, pequenos poemas, ilustrações do dicionário do diabo, poemas fixes, epígrafes, maquilhar como dracula (sic)… Só isto pode justificar as 1030 visitas diárias, ainda que não explique os 7%. Esses, provavelmente, vêm ler o que escrevemos.

The Last Fuck

Nos filmes de acção há sempre aqueles imbróglios que é preciso resolver em fracções de segundo. São, geralmente, situações limite que um cidadão vulgar demoraria horas, senão dias, a resolver, mas que num filme de acção obrigam a uma destreza e rapidez de execução invulgares. O mais engraçado é que, nessas cenas de poucos segundos, há quase sempre tempo para uma mensagem de despedida, um último beijo, uma promessa, etc., o que leva uma situação de segundos a estender-se durante alguns minutos. Hoje, ao ver um desses filmes na televisão, lembrei-me de uma cena do género para um filme pornográfico: uma foda durante a queda de um elevador num arranha-céus. Até pensei num título para o filme: The Last Fuck. Constatei, entretanto, que já existe um filme com o mesmo título. Resta confirmar se a história é a mesma. Enfim, coisas de domingo.

Dr. Little

A família Little sem o rato.

O Dr. House será confrontado, no próximo episódio da série, com o maior desafio de sempre na sua exemplar carreira: tratar o alucinado Mr. Fredrick Little, pai adoptivo do rato Stuart em Stuart Little.

Intergalactic

Procura-se trabalho intergaláctico, qualquer coisa desde que paga, a recibos de qualquer cor e com disponibilidade irrestrita. Uma pecha curricular: cidadão sem filiação partidária.

MOSCOVO NA NORUEGA

O colorido das nuvens
Fala de Inverno.
Cheira a humidade e a coníferas
Como nos arrabaldes de Moscovo.
Tudo como lá,
E tão familiar.
Só o ar não é o mesmo,
A atmosfera não é a mesma,
E os homens são outros.
Só as pessoas não são as mesmas
E não se parecem
Convosco, meus queridos.
Queridos amigos, tanta vez escrevi
Que a separação é uma carga dolorosa,
Que a separação é uma cobra venenosa.
E realmente, eu
Não devia ter saído da União Soviética.
No estrangeiro só são belos os primeiros dias,
Só nos primeiros dias as coisas são bonitas nas lojas.
(Como são bons
Estes lápis,
Estas canetas e estes cadernos!)
E que cidades aqui! Por exemplo,
A velha Bergen, que não é em vão
(Como dizem todos os guias honestos)
Famosa
Pela sua lota de peixe.
A cavala azul, o bacalhau dourado
Na madrugada fria e púrpura.
Eu olhei para o peixe – e uma angústia
De súbito mordeu-me como anzol de pescador.
Recordei claramente: no cesto, no balde,
Recolhendo as barbatanas espalhadas,
Àquela mesma sarda às riscas azuis e brancas
Só lhe chamavam ‘mugem’.
E que esplêndida jovem andava
A essa hora pela areia no sopé da montanha!
E que vasta vida jaz
Entre estas e aquelas mugens!
E a dor de se acabar o dia encantador
Cortou-me como uma faca.
E pensei: ‘Não vale a pena a solidão
Triste no estrangeiro.’
Mas nos lugares do peixe, vejo,
Coçando a perna com uma luva sem dedos,
De botas e capote encerado, boné ao contrário,
Sem tirar nem pôr, um rapaz
Como os do nosso metro.
E exclamei sem querer: ‘Eh,
De que buraco me saíste tu?’
Ela falou-me em norueguês (e eu sem entender),
De uma maneira diferente, está visto, chega.
Realmente, pensei, não poderei
Falar com este rapaz?
E, pondo um caderno0, assim, para que ele visse,
No balcão debaixo do toldo do peixe,
Desenho a oval dos mares da minha pátria
E escrevo em letras latinas a palavra ‘Odessa’.
E então o rapaz da outra costa
Sorriu-me, como um pescador a outro pescador.
Sorriu-me de dentro da alma.
E tirou-me o lápis.
(Como são bons
Estes lápis
Para conservar alguém nosso!)
E escreveu uma palavra conhecida, ‘Moskwa’,
E dessa palavra raios que saíam.
(Como é bom que palavras diferentes
Até nos países distantes excitem!)
E com um ar solene
Ele saudou nesse instante a União Soviética.
E tirando a luva e tirando o boné,
Apertou-me a mão até me fazer chorar.

Pronto, perdemos o direito à tristeza,
E como se não estivesse longe da pátria,
O homem com a espantosa palavra ‘Moscovo’
Nunca está em parte alguma solitário.

Tradução de Manuel de Seabra.

Vera Inber
Vera Inber nasceu em Odessa no dia 10 de Julho de 1890. Estudou História e Filologia, tendo publicado os primeiros poemas, em 1910, nos jornais da sua cidade natal. Por essa altura foi viver para o estrangeiro, onde, em 1912, apareceu o seu primeiro livro: Vinho triste. De regresso a Moscovo, em 1914, dedicou-se ao jornalismo. Durante a II Grande Guerra viveu em Leninegrado, onde o seu marido dirigia um instituto médico, tendo publicado, já no final da guerra, o seu diário desses anos do cerco nazi. Morreu no dia 11 de Novembro de 1972.

Prazo de validade


17.2.07

Perguntar Ofende? #5

No post anterior foi abordada a problemática colocada pelo caso Richard Mutt, e o aparecimento do ready-made – objectos que o gesto de escolher de um artista converte em obras de arte; os ready-made colocaram diversas questões no campo dos objectos artísticos e neste post vou abordar uma que me parece central: como distinguir os objectos reais que não são obras de arte das obras de arte que são ou usam objectos reais?
O crítico de arte americano Artur Danto tentou responder a esta pergunta em 1964, no seu texto “The art world” (in J. Margolis org, “Philosophy looks at the arts: comtemporary readings in aesthetics”, Temple University Press, Philadelphia 1978, p-154-167), defendendo que são as teorias de arte que geram o mundo da arte e possibilitam a identificação dos objectos como obras de arte, assim como a percepção dos estilos artísticos. O autor utilizou o conceito “mundo da arte” no âmbito dos objectos artísticos, referindo-se às teorias que os explicam, descontextualizando-o assim da gíria ou linguagem corrente. O problema da semelhança entre os objectos artísticos e os objectos não artísticos colocou-se em termos históricos a partir dos ready-made de Duchamp e das assemblages de Schwitters; a problemática foi desenvolvida posteriormente pelos surrealistas, tornando-se a apropriação de objectos reais no contexto artístico uma prática comum na pop art. Deste modo, segundo o autor, pode-se ver o ready-made de Duchamp como o início de uma nova matriz estilística, onde o uso de objectos reais nas obras de arte funciona como propriedade comum. Para Artur Danto, as teorias de arte permitem a identificação dos objectos artísticos, mesmo quando são aparentemente iguais aos objectos reais. A separação torna-se possível através do “é” da identificação artística, que só existe quando o sujeito possui cultura para o utilizar. Assim, o “é” da identificação artística estabelece a relação entre as propriedades visíveis dos objectos artísticos e as propriedades artísticas não visíveis nestes objectos, esclarecendo as confusões; com este argumento, Danto estava a defender a sua posição enquanto teórico e crítico de arte, sobrevalorizando a importância da teoria na compreensão das obras; de facto, em termos práticos, a teoria de arte tornou-se essencial a partir do séc. XX na apreensão das artes plásticas, porque nas produções artísticas modernas e contemporâneas, nem tudo nos é oferecido de imediato ao olhar, grande parte das obras necessitam de um discurso que as acompanhe, funcionando como uma espécie de ritual iniciático às propriedades não visíveis dos objectos, permitindo assim uma fruição cognitiva. Danto tem uma posição elitista relativamente à arte dos nossos tempos, por mais irritante e enervante que ela seja, trata-se de um facto real, a teoria é uma condição necessária para a fruição e compreensão do que vemos nas artes plásticas. Relativamente à questão do “é” da identificação artística, o autor dá-nos vários exemplos de como se processa o seu funcionamento, dos quais o mais curioso vos apresento aqui: como distinguir duas pinturas abstractas, visualmente indiscerníveis, mas com conteúdos diferentes expostos pelos seus autores? Alguém que não tenha cultura artística não consegue distinguir as suas diferenças, porque não tem em conta a intenção dos artistas e só vê as pinturas materialmente, porque não possui o tal “é” da identificação artística; mais, Danto acrescenta um terceiro exemplo, um quadro aparentemente igual aos anteriores, só que intitulada nº7, em que o seu autor insiste que ali apenas se encontra tinta sobre tela e não se deve fazer outra leitura. Qual a diferença entre a visão deste terceiro artista e a de alguém desprevenido que apenas vê o quadro materialmente? Danto defende que o terceiro artista teve um percurso que passou pelas teorias de arte e história de arte, atingindo a abstracção por um processo de depuramento, que o levou a regressar ao carácter físico da pintura. O pintor possui o é da identificação artística, enquanto que alguém desprevenido que não tenha este facto em conta, não possui o “é” da identificação artística. Com estes argumentos, Danto valoriza a intenção dos artistas como componente importante na teoria de arte e para a existência da arte. Mas, será que é a intenção do artista que faz a obra? Será que é a teoria e o discurso que a tornam possível? E este “é” da identificação, não nos poderá vender gato por lebre muitas vezes? Talvez, porque se pode criar sempre um discurso lógico e defendê-lo com convicção, basta saber o mínimo de retórica para isso. Bom, antes de estar a duvidar do Artur Danto, vou voltar à questão central deste post, que o autor colocou com outro exemplo: Andy Warhol, artista pop, expõe fac-símiles de caixa de cera Brillo pintadas sobre madeira, enquanto as originais são sobre cartão. Porque motivo os fabricantes de cera Brillo não podem produzir arte e porque motivo Warhol não pode deixar de fazer obras de arte? O que faz a diferença não é o facto de serem pintadas à mão, mas sim a teoria de arte. A teoria vê as caixas de Warhol sem estarem separadas da galeria onde são expostas, por isso elas são diferentes das que estão expostas no supermercado. Assim sendo, a teoria de arte faz a distinção entre os objectos reais e os objectos reais artísticos, porque tem em conta o contexto onde eles se inserem; e o “é” da identificação artística estabelece a fronteira entre realidade e ficção, ou seja, se o objecto é artístico ou não artístico. Será que é mesmo assim? Será que tudo pode ser arte, hoje em dia, a partir do momento em que alguém com cultura artística assim o afirma? Não será isto tudo um mero exercício de retórica?
Maria João

16.2.07

Bem lembrado

«O conselho do Wittgenstein das Investigações Filosóficas: desconfiar do poder que a linguagem tem de fazer com que tudo se assemelhe

Lido num algures que estou interditado de revelar.

A lebre que miava

Entre um nefelibata e um bota-de-elástico há sempre quem vislumbre a estranha coincidência das origens. Depois dizem que é tudo igual, mas a gente sabe que não é por o bota-de-elástico atravessar as mesmas ruas que o nefelibata atravessou que este vai encaminhar aquele e que aquele vai secundar este.

Da fotografia

Jovem, queres ser uma estrela? Arranja um bom fotógrafo, vai de boleia prá Kapital, inventa uma vida. Não tenhas medo de roubar. Complexos morais só dão dores de cabeça e desmontam peça a peça os legos das capitais.

Jovem, queres ter sucesso? Procura bons amigos no centro do mundo, faz a cama, põe a mesa, mostra-te disponível prá conversa. E se te perguntarem de onde vens responde sempre, por entre ais, que vens de para onde vais.

A PRIMEIRA VEZ QUE ENTENDI

A primeira vez que entendi do mundo
alguma coisa
foi quando na infância
cortei o rabo de uma lagartixa
e ele continuou mexendo.

De lá pra cá
fui percebendo que as coisas permanecem
vivas e tortas
que o amor não acaba assim
que é difícil extirpar o mal pela raiz.

A segunda vez que entendi do mundo
alguma coisa
foi quando na adolescência me arrancaram
do lado esquerdo três certezas
e eu tive que seguir em frente.

De lá pra cá
aprendi a achar no escuro o rumo
e sou capaz de decifrar mensagens
seja nas nuvens
ou no grafite de qualquer muro.

Affonso Romano de Sant’Anna

Affonso Romano de Sant'Anna nasceu em Belo Horizonte, Brasil, no dia 27 de Março de 1937. Poeta, ensaísta, cronista e professor, teve uma infância pobre que o obrigou a trabalhar, desde muito cedo, para pagar os seus estudos. Em 1965 edita o seu primeiro livro: Canto e Palavra. Nos tempos da ditadura militar brasileira, publicou vários poemas de carácter político nos principais jornais do país. Em 1984 substituiu Carlos Drummond de Andrade como cronista no Jornal do Brasil. Lançou a revista Poesia Sempre, foi professor em várias universidades brasileiras, criou o Sistema Nacional de Bibliotecas no Brasil, recebeu diversos prémios e distinções. A sua obra literária conta com mais de 30 livros de ensaios, poesia e crónica.

15.2.07

I Bet You Look Good On The Dancefloor

Experimentem ver programas como o Praça da Alegria ou o Portugal no Coração sem som. Depois pensem no que seria passar a ver o mundo assim, sem som. Quando forem a uma discoteca, experimentem ficar a um canto a olhar as pessoas, olhem para a pista de dança e imaginem todos aqueles movimentos sem som. Mas não abusem. Imaginar o silêncio pode levar rapidamente à loucura. Experimentem antes saltar para a pista, experimentem dançar.

Terror, morte, assassínio, doença, pobreza e chuva
É o que me incomoda quando tenho tempo
Dick Gallup

14.2.07

Insónia

Há muitas razões que justificam uma insónia, mas a mais desconexa de todas é o cansaço. Uma pessoa cansada, supostamente, devia mergulhar no sono com o peso de um leão-marinho. Pois em mim o efeito é inverso. Nada me desperta mais que o cansaço.

Infância

De tudo o que por lá fica, o melhor é a imprudência, o espanto com que ouvimos, repetidamente, a palavra não. A idade adulta é uma idade de recusa. Felizes os que crescem pela infância adentro e não perdem aquele espanto, aquela imprudência.

Perguntar ofende? #4

Em 1917, um urinol intitulado “Fontaine”, assinado de R. Mutt foi enviado para o Iº salão dos independentes em Nova Iorque. Richard Mutt não era o seu autor, mas sim o dono da empresa que manufacturava urinóis; o autor do misterioso gesto publicou enquanto decorria a exposição, o seguinte artigo no jornal “The blind man of May”: Dizem que qualquer artista pagando seis dólares pode expor. Mr. Richard Mutt enviou uma “Fontaine”. Sem discussão este objecto desapareceu e nunca foi exposto. Quais as razões para recusar a “Fontaine” do Mr. Mutt:
1 - Uns afirmaram que era imoral, vulgar.
2 – Outros, que era um plágio, um evidente pedaço de canalização.
Nem a “Fontaine” do Mr Mutt é imoral, isso é absurdo, tanto quanto uma banheira é imoral. É um acessório que todos os dias se pode ver, numa montra de canalizações. Tenha o Mr. Mutt feito a “Fontaine” com as suas mãos ou não, não tem importância. Ele escolheu-o. Ele enviou um vulgar objecto útil, colocou-o de modo a que o seu significado usual desaparecesse, debaixo de um novo titulo e ponto de vista – criou um novo pensamento para esse objecto. Como canalização é um absurdo. As únicas obras de arte que a América nos deu são as canalizações e as pontes.
(in AAVV, “Art in Theory”, Blackwell Publishers, UK&USA 1992, p-248)
O artigo era acompanhado de uma fotografia de “Fontaine”, da autoria do conhecido fotógrafo Alfred Stieglitz. O autor do gesto foi Marcel Duchamp, artista afamado na altura devido a “Nu descendo as escadas”, pintura que provocou escândalo em 1913, no Armony Show, devido a ser uma representação do movimento, da mecanização do corpo humano, em oposição à representação instituída do nu como belo clássico. Duchamp era membro fundador da Sociedade de Artistas Independentes e fazia parte do Júri da exposição; ele afirmou em entrevista a Pierre Cabanne, em 1966 que “Fontaine” não foi recusada da exposição, porque nem sequer tinha passado pela apreciação do júri. A “Fontaine” era um objecto industrial que não se integrava na família de objectos que se candidataram a esta exposição e foi suprimido, não porque colocava questões morais, como foi expresso no artigo do “The Blind Man”, mas porque não era uma pintura ou escultura, por isso foi simplesmente colocado de parte. Então que tipo de objecto artístico era “Fontaine”? Duchamp apelidou-os ready-made - objectos que o gesto de escolher de um artista converte em obras de arte; ele não fez muitos, segundo Octávio Paz, Duchamp exaltou o “gesto, sem cair nunca, como tantos artistas modernos, na gesticulação do gesto. Em alguns casos os ready-made são puros, isto é, passam sem modificações do estado de objectos usuais a anti-obras de arte. Outras vezes sofrem rectificações e emendas geralmente de ordem irónica com intenção de impedir a confusão entre eles e os objectos artísticos”. ( in “Aparência Desnuda: la obra de Marcel Duchamp”, Alianza Editorial, Madrid, 1989, p-29)
O ready-made em Duchamp não foi um gesto insistente, mecanizado, foi sim crítica activa em relação à obra de arte fundamentada em adjectivos; porque a principal questão da arte antes do ready-made era “o que é belo?”, devido a estar mergulhada no domínio do juízo de gosto. Duchamp considerava o gosto como um hábito ou repetição de algo já aceite. Com o caso Richard Mutt, a arte deslocou-se desta questão e o problema da natureza da arte passou para o primeiro plano; “o que é a arte?” tornou-se a questão central no séc. xx, presente através do alargamento das fronteiras das várias expressões artísticas, com a abertura de novas possibilidades no que é o artístico, sem necessariamente estar ligado à questão do belo ou da estética. São diversos os autores que defendem que “Fontaine” em si mesma não deve ser apreciada, que se deve ter em conta sim o gesto de Duchamp, não apenas Octávio Paz. Esta ideia foi fundamentada na impossibilidade de se apreciar certos objectos, no qual inclui “Fontaine”, mas talvez não existam objectos sem qualidades a apreciar, por isso tudo pode ser candidato à apreciação. No entanto, Duchamp procurava a indiferença visual quando escolhia os objectos para os seus ready-made. Segundo o próprio: “É muito difícil escolher um objecto porque depois de quinze dias começa-se a gostar dele ou a detestá-lo. É preciso chegar a qualquer coisa de uma indiferença que não se tenha nenhuma emoção estética” (in “Engenheiro do Tempo Perdido: entrevista com Pierre Cabanne”, Assírio &Alvim, Lisboa 1990, p-70)
Será que é possível a indiferença visual, a total ausência de bom ou mau gosto na escolha de um objecto? O gesto de Duchamp tinha esta intenção inerente. Não creio que a indiferença visual fosse algo que fizesse parte das propriedades dos objectos que escolheu, até porque como ele se refere no The Blind Man, as únicas obras de arte que a América tinham dado ao mundo eram as pontes e as canalizações. Ele talvez se tenha referido à indiferença visual em relação à tradição do gosto, do modo com esta é normativa ou canónica; mas, o que era belo para Duchamp? O mundo novo e a sua tecnologia? Será que o seu gesto era apenas para questionarmos o que é o gosto? O que é a arte para além do bom e do mau gosto? O gosto funciona entre o instinto e a moda, o estilo e a receita para os objectos artísticos. Duchamp não gesticulou ready-mades, talvez por isso sejam obras que só fazem sentido serem de Duchamp, mas isso não aconteceu. O ready-made foi gesticulado, posteriormente, por muitos artistas, sobretudo na arte pop. O gesto banalizou-se. Virou-se o feitiço contra o feiticeiro? Tornou-se o ready-made depois um padrão de gosto ou uma moda? E hoje em dia, quando olhamos os ready-made, não os achamos muito belos? Os ready-made ainda nos questionam o que é a arte? O que é que nos questiona o que é a arte hoje em dia?

Maria João

POEMA

Como o meu próprio ruído, o de
ninguém,

escutando,
parte-se.


Tradução de Manuel de Seabra.

Aram Saroyan

Aram Saroyan nasceu a 25 de Setembro de 1943. Poeta, romancista, dramaturgo e ensaísta, frequentou várias universidades mas nunca chegou a concluir qualquer um dos cursos que frequentou. Foi nos anos loucos da década de 1960 que, após algumas experiências com drogas, começou a escrever poesia. Publicou, em 1963, In, Sled Hill Voices, Poems. Considerado poeta minimalista, é autor de uma obra diversificada onde se notam ecos da Geração Beat e da poesia concreta.

13.2.07

Bloco de apontamentos #55

Um Roubo
MJLF, Um Roubo, técnica mista s/papel, 30x21cm, 1995

Colocaram-me a drástica no estômago a 27 de Março de 2006, na freguesia de Cedofeita na bela mística granítica. Quando ia a caminho do Porto, tive de voltar a Lisboa, porque me esqueci dos exames necessários para a operação. Quando cheguei lá, dei por falta da carteira, esqueci-me dela em casa quando fui buscar os exames. Dei entrada no hospital sem nenhum documento, sabia o n.º do meu BI de cor, mas nunca poderia imaginar que a operação significava uma total mudança de identidade física. Entretanto, voltei ao Porto no São João, no dia em que fiz 37 anos e já tinha perdido 24Kg. Depois voltei à cidade onde fiz 37 anos quando já tinha perdido 37Kg. Agora só devo lá voltar em Março, quando já estiver livre de mais de 40Kg.

Maria João

Como tornar-se espectral

Antecipações utópicas – A mulher tornar-se-á espectral através da desarticulação da sua anatomia. O «corpo desmontável» é a aspiração e a verificação do exibicionismo feminino, o qual se tornará furiosamente analítico, com a possibilidade de mostrar cada peça em separado e isolar as anatomias a fim de as dar em alimento separadamente, montadas sobre garras, atmosféricas e espectrais, tal qual a anatomia, montada sobre garras e espectral, do louva-a-deus. Tudo isto se irá realizar, graças ao perverso aperfeiçoamento das futuras roupas aerodinâmicas e da ginástica irracional. Todas as espécies de corpetes vão ser reactualizadas, com vista a fins extrafinos; empregar-se-ão novas e incómodas peças anatómicas artificiais a fim de acentuar o sentimento atmosférico de um seio, de uma nalga ou de um calcanhar (vão ser indispensáveis ao trajo citadino uns seios falsos extremamente doces e muito moles, ligeiramente caídos e suspensos nas costas). O sorriso espectral será provocado artificialmente, por meio de fibras metálicas vibratórias dos chapéus. Mas o modelo incontestável, o sensacional antecedente do vestuário espectral, continuará a ser, até novas ordens, o trajo de Napoleão. Chamo sobretudo a atenção para o calção, o bom (bom para comer) calção de Napoleão, que põe em evidência aqueles volumes superfinos, ternos e disfarçados, que vocês conhecem tão bem como eu; tudo isso graças aos seguintes factores: abdómen e coxas «desmontáveis», separáveis, isoladas, atmosféricas e espectrais, superfinamente brancas e todas sobre fundo negro; sem falarmos já da forma que tem a silhueta da restante vestimenta (incluindo o chapéu) de todos já conhecida.

Tradução de Manuel João Gomes.

Salvador Dalí

Salvador Dali nasceu em Figueres, Espanha, a 11 de Maio de 1904. Conhecido pelo seu trabalho no domínio das artes plásticas, sobretudo enquanto nome maior do movimento surrealista, Dali foi também autor de algumas obras literárias, entre as quais a autobiografia intitulada A Vida Secreta de Salvador Dali (1942). Amigo íntimo de Federico García Lorca e de Luis Buñuel, com quem colaborou na curta-metragem Un Chien Andalou, Salvador Dali produziu mais de 1500 quadros ao longo da sua carreira, ilustrações para livros, litografias, desenhos para cenários e trajes de teatro, um grande número de desenhos, dezenas de esculturas e vários outros projectos. Morreu no dia 23 de Janeiro de 1989.

Prós & Contras

Quem viu o Prós & Contras de ontem presenciou uma prova insofismável de que o surrealismo está bem vivo em Portugal. O tema era a justiça, mas depressa passou a ser a liberdade de expressão dos juízes, para logo se transformar numa discussão técnica sobre eventuais custas que os 10000 subscritores do habeas corpus no “caso Esmeralda” terão que pagar! Podem crer que há muito não me ria tanto.

12.2.07

«A vida é uma infâmia»

Na primeira carta das Palavras Cínicas, Albino Forjaz de Sampaio diz que: «A vida é a escola do cinismo». Na segunda diz que: «A Vida é uma grande cama onde existe sempre a plena orgia da carne». Na terceira afirma que no Amor, como na Vida, o triunfo é: «dos fortes, dos que mentem, dos que batem, dos que falseiam». Na quarta carta sentencia que: «A vida é dos de coração gelado e hirto». Na quinta: «A Vida é prática, metódica, decisiva». Na sexta carta: «Tudo na vida é engano, tudo embuste, tudo dissimulação». À sétima carta, Albino Forjaz de Sampaio não podia ser mais peremptório: «Os vivos teem quem os atormente, os mortos teem o esquecimento». Por fim, à última carta, o nosso bravo conclui: «A vida é uma jornada. E todos os dias se anda um passo para a Morte». Só não entendo por que terá o autor intitulado este livro de Palavras Cínicas?!

Definição de literatura

Há qualquer coisa de genuinamente masoquista nas Cartas Portuguesas. Não admira, por isso, que as Cartas sejam também um tratado acerca da literatura. Na Quarta Carta, Soror Mariana Alcoforado confessa mesmo: «Eu escrevo mais para mim do que para ti, e aquilo que procuro é consolar-me». Eis a definição mais honesta de literatura: uma masoquista procura de consolo.

A que preço estão os fatos em Lisboa?

Numa das cenas iniciais de Traffic, Caroline (Erika Christensen) pergunta ao pai (Michael Douglas) como é Washington. Eis a resposta, citada de memória se a memória não me falha: «É como Calcutá, rodeada de pedintes. A única diferença é que em Washington os pedintes vestem fatos de 1500 dólares».

Público

Nova cara, velhos hábitos. Nunca mais volto a nunca mais comprar jornais.

BAILARINAS (1)

Paula Rego, Dancing Ostriches from Walt Disney's Fantasia (1995)


Cevam a vontade, cabeça de porco
do pai, leitão das tias cevadas também,
o poio da moral na testa sarro da comichão,
guinamos as tetas, fanamos o sortido,
gonza no peito prenha ao estertor
do tinto, cabeça camuflada rapada das
ideias,
mete-a física no cono, a musa dela.


Rui Costa

ENTARDECER

Sol-posto ungindo o mar: incensos de ouro!

Recolhe funda a tarde em sonho e mágoa.
Surdina fluida: anda o silêncio a orar –
E há crepúsculos de asas e, na água,
O céu é mármore extático a cismar!

E nas faces marmóreas dos rochedos
Esboçam-se perfis,
- Cintilações,
Penumbra de segredos!

Ó painéis de nuvens sobre a terra,
Ogivas delirantes
Na água refractando…
Encheis de sombra o mar de espumas rasas,
Iniciando
A hora pânica das asas!

E, à meia luz da tarde,
Na areia requeimada,
São vultos sonolentos
As proas dos navios…

Ó tristeza dos balões
Iluminando,
Na água prateada,
Os pegos e baixios…

Dormentes constelações
Que, em fundos lacustres
E musgosos,
Pondes reverberações
Em nossos olhos ansiosos.

Ó tardes de aquático esplendor,
Descendo em meu olhar!

Num sonho de regresso,
Numa ânsia de voltar,
Em mim todo me esqueço
E fico-me a cismar.

A tarde é toda um sonho moribundo.
É já olor da cor que amorteceu.
O céu vive no mar: sono profundo.
A asa do rumor no ar adormeceu!

Luís de Montalvor

Luís de Montalvor, pseudónimo de Luís Filipe da Gama da Silva Ramos, nasceu a 31 de Janeiro de 1891 na Ilha de S. Vicente de Cabo Verde. Veio para Portugal apenas com dois meses de idade. Começou a escrever em vários jornais ainda muito novo, datando de aí o seu convívio com Mário de Sá-Carneiro. De 1912 a 1915 viveu no Rio de Janeiro, regressando a Lisboa para fundar a revista Orfeu e, no ano seguinte, a Centauro. Fundador da editorial Ática, Luís de Montalvor deixou a sua obra poética dispersa por várias revistas. Morreu em Lisboa a 2 de Março de 1947.

Resultados

Onde nasci (e voto): Rio Maior – SIM (56,60%), NÃO (43,40%), ABSTENÇÃO (58,06%); Onde vivo: Caldas da Rainha - SIM (61,86%), NÃO (38,14%), ABSTENÇÃO (58,%).

IVG #56 (último)

59,25%
Pena que ainda não tenha sido inventada uma pílula do dia seguinte contra as alarvidades que vêm germinando neste pós-referendo. A maior de todas elas é assinada por uma tal Mafalda, no Blogue do Não. Atentem-se nesta declaração: «Venceu a cultura da morte! 11 de Setembro, 11 de Março, 11 de Fevereiro. Datas manchadas pela morte!» Merece isto algum comentário? Ia eu a caminho da escola com a minha filha, e ouço na Antena 1 alguém falar em «matadouros de bebés» e «matança indiscriminada de crianças». Merece isto algum comentário? Os sábios comentadores que por aí pululam também retiram as mais extraordinárias conclusões políticas do referendo. Comentam tudo e mais alguma coisa, sabem tudo e mais alguma coisa, querem retirar lucro de tudo e mais alguma coisa. Eles sabem tudo, têm o dom de saber tudo, até sabem por que votaram os portugueses que votaram naquilo em que votaram, eles têm capacidades que não lembram aos heróis da Marvel. Eu só posso falar do que sinto: sinto que esta é uma vitória contra o mediavelismo e a hipocrisia daqueles que afirmam coisas como a Mafalda do Blogue do Não. Sinto que esta é uma vitória de todos, à direita, à esquerda, ao alto, ao baixo, ao centro, quantos se opõem a um país que há muito chafurda nessa mentalidade medíocre, fanática e esquizofrenicamente insensível aos problemas de milhares de pessoas que não se revêem no discurso dos «matadouros de bebés». É uma vitória de todos quantos não se revêem nesse país de gente desonesta, cobarde, rancorosa, inconsciente, desequilibrada, canalha, como essa Mafalda do Blogue do Não. Que a vitória do SIM não se confunda agora com um FIM em si mesmo, é o que espero. E que os políticos façam, quanto antes, aquilo para o que são pagos: legislem.
#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40 / #41 / #42 / #43 / #44 / #45 / #46 / #47 / #48 / #49 / #50 / #51 / #52 / #53 / #54 / #55

10.2.07

Bloco de apontamentos #54

MJLF, Quebra-cabeças, instalação na casa das artes de Tavira, 1992.

A Lua agora tem um novo pretendente: isto são fenómenos naturais do luar de Janeiro. Ultimamente um gato enorme, de pelo branco com listas cinzentas, olhos verdes e coleira de veludo fino com guizo, canta-lhe as janeiras em registo grave à janela – não é tão afinado como o Plácido, este tem pinta de baixo armado em solista, com um ego próprio do seu tamanho; o gato é muito bonito, mais domesticado e civilizado que o outro sacana, pelo menos não se vinga com mijadinhas na porta, mas canta as janeiras em heavy-metal; a Lua fica desorientada de todo, assopra como uma serpente e anda às voltas no atelier; fica de tal forma assustada e insegura que me atacou os pés outro dia, com o Plácido isto nunca se passou.

Maria João

REVELAÇÃO


Resulta nisto:
a minha taça cheia de chá verde a fumegar.
Basho senta-se a meu lado com ohashi,
esperando por Reiko para trazer
o Nikku Nabe, o sake, alguma cerveja Kirin,

O haiku virá mais tarde.
Depois do jantar & de
um charuto Havatampa.


Tradução de Manuel de Seabra.

David Meltzer

David Meltzer nasceu em Rochester, Nova Iorque, no ano de 1937. Começou a sua carreira literária em São Francisco, nos dias áureos da Beat Generation, lendo poesia em clubes de jazz. Foi um poeta bastante activo, tendo escrito mais de 50 livros em menos de 25 anos, quase todos publicados em pequenas editoras como a City Lights ou a Unicorn Press. Revelado como poeta em 1956 com Ragas, alcançou êxito em 1965 com The Process. É também autor de alguns livros sobre jazz e várias antologias de entrevistas e poemas da Geração Beat.

9.2.07

IVG #55

O Meu Sim

A complexidade do problema do aborto advém do facto de ser um problema sobre o qual várias perspectivas são possíveis e legítimas. Acresce que, às múltiplas perspectivas possíveis, cola-se uma tendência irresistível para misturar no espaço legítimo da discussão abordagens diversas como a religiosa, a filosófica, a política, a científica, a cultural, etc. Deste modo, a perspectiva política mistura-se facilmente com a religiosa, esta com a filosófica, e ainda a científica, mais todas elas juntas numa obscura salada de asseverações, premissas e raciocínios que, inevitavelmente, acabam por esvaziar-se nas convicções de cada um. A minha convicção pode facilmente ser resumida neste raciocínio: ninguém pode obrigar uma mulher a levar avante uma gravidez que não deseja; quando se vê obrigada a tal, essa mulher, se assim for a sua vontade, abortará (com lei ou sem lei); sendo assim, melhor que o faça quanto antes, evitando abortos em fases avançadas da gestação, e em clínicas especializadas para o efeito, protegendo a sua integridade física e psíquica. Compreendo a perspectiva religiosa, segunda a qual o aborto é um mal que deve ser evitado; até aceito que para os católicos o aborto deva ser um crime e as mulheres que o pratiquem devam ser julgadas como criminosas. A defesa intransigente da vida humana leva a essas posições mais extremadas. Compreendo-as, mas não aceito que as mesmas me sejam impostas, sobretudo num Estado que se diz laico e independente e autónomo da Igreja. Como tal, gostava que os católicos que tão fervorosamente assumem essa posição de indiferença às opiniões contrárias, impondo o seu NÃO a todo o custo, investissem algum do seu esforço no combate ao aborto clandestino, na promoção de políticas de planeamento familiar adequadas à realidade, na defesa de uma educação sexual sem preconceitos, na luta contra a pena de morte, contra os abusos sexuais de menores, que fossem implacáveis com os seus padres pedófilos, e que compreendessem, de uma vez por todas, que as leis de um Estado democrático devem ser aplicadas a pensar em todos e não podem privilegiar grupos de interesse, posições morais específicas, posturas de fé. Não tenho dúvidas que tal esforço lhes será possível e até facilitado, com ou sem santinhas a verterem lágrimas de sangue por "fetos assassinados", com ou sem Zezinho – boneco que reproduz um feto de 10 semanas -, com ou sem agências de comunicação a servirem-lhes os interesses de borla, com ou sem o patrocínio de bancos, com ou sem panfletos intimidatórios a cartas aterrorizadoras. Ninguém nega, entenda-se, a existência de uma vida humana em geração a partir do momento da concepção. Mas não é essa vida que está em causa no referendo, tal como não é essa vida que está em causa nas possibilidades de aborto que a lei já prevê. Ficou claro em posts anteriores que o valor de um feto não é equiparável ao valor de um ser humano já feito, por exemplo, a mãe. Não é, nunca foi e nunca será. Não há no mundo ninguém que defenda que entre um feto e uma mãe a vida do feto deva prevalecer. Peter Singer é muito claro quando afirma: «não devemos aceitar que uma pessoa em potência possa ter os direitos de uma pessoa». É tão claro, pelo menos, quanto Francis Fukuyama quando diz que não devemos considerar «os embriões como seres humanos detentores dos mesmos direitos que reconhecemos a um bebé». Não espero que as considerações dos dois eminentes filósofos valham mais que as dos ilustres defensores do NÃO que temem, com uma alteração à lei que permita o aborto, desde que a pedido da mulher e em estabelecimento de saúde autorizado para o efeito, até às 10 semanas, uma banalização do gesto abortivo, uma bandalheira que pode passar, como escutei num programa televisivo, pela transformação do aborto num negócio de matéria fetal. O que penso é que o cenário que temos neste momento é o mais negro de todos: aborta-se indiscriminadamente, em qualquer altura, de qualquer maneira, pelas mais diversas razões, criando-se assim um problema de saúde pública insustentável. Se as opiniões dos dois eminentes filósofos supracitados não chegam, então que cheguem os números: «calcula-se que no último ano tenham sido feitos cerca de 18 mil abortos em Portugal», «o aborto clandestino levou em média três mulheres por dia aos serviços de urgência hospitalar», «27% das mulheres que praticam aborto são internadas para tratar complicações», «só no ano de 2005 terão ido a Espanha abortar cerca de 4000 mil mulheres»… É esta a situação que o voto no NÃO manterá. É esta situação que o voto no SIM pretende mudar. Por isso, como é óbvio, eu votarei SIM.

Na foto: eu e a Matilde, a minha filha mais velha.

#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40 / #41 / #42 / #43 / #44 / #45 / #46 / #47 / #48 / #49 / #50 / #51 / #52 / #53 / #54

IVG #54

Chega hoje ao fim a campanha do referendo sobre a despenalização do aborto nas condições previstas na pergunta a referendar. Nesta matéria, como se constatou ao longo do último mês, há dezenas de posições diferentes em cada um dos lados, mas obrigatoriamente arrumadas no NÂO e no SIM. Independentemente de todos os argumentos que vieram ao debate uma coisa é certa: se ganhar o NÂO continuam os abortos clandestinos realizados em péssimas condições que afectam sobretudo as mulheres das camadas sociais mais baixas e jovens, muitas delas adolescentes. Assobiaremos então para o ar e a dizer: no passa nada. Se ganhar o SIM abre-se uma possibilidade para essas mulheres e jovens poderem realizar um aborto (que fariam sempre, quer haja, quer não haja mudança na lei penal) com condições de assistência médica e com dignidade. Por isso voto SIM.
#1 / #2 / #3 / #4 / #5 / #6 / #7 / #8 / #9 / #10 / #11 / #12 / #13 / #14 / #15 / #16 / #17 / #18 / #19 / #20 / #21 / #22 / #23 / #24 / #25 / #26 / #27 / #28 / #29 / #30 / #31 / #32 / #33 / #34 / #35 / #36 / #37 / #38 / #39 / #40 / #41 / #42 / #43 / #44 / #45 / #46 / #47 / #48 / #49 / #50 / #51 / #52 / #53